Exposição homenageia o centenário do intelectual Antonio Houaiss

O filólogo, diplomata e professor Antonio Houaiss (1915-1999) foi um dos principais intelectuais brasileiros do século 20

Mais conhecido do público pelo dicionário que leva o seu nome, o filólogo, diplomata e professor Antonio Houaiss (1915-1999) foi um dos principais intelectuais brasileiros do século 20. Carioca, filho de imigrantes libaneses, toda a sua formação, da escola  à universidade, foi no ensino público, e Houaiss se destacou em diversas áreas, chegando a exercer o cargo de ministro da Cultura, durante 11 meses, no governo Itamar Franco, em 1993.

Para homenagear o centenário do multifacetado intelectual, a Biblioteca Nacional apresenta em sua sede, no centro do Rio, a exposição Antonio Houaiss – Singular, Plural. A mostra reúne fotos, objetos pessoais e vasta documentação sobre o também membro, desde 1971, da Academia Brasileira de Letras (ABL), instituição que presidiu em 1996 e na qual se dedicou a uma de suas mais importantes contribuições ao país, a elaboração do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

+ Confira outras exposições em cartaz na cidade

“A nossa grande preocupação foi justamente a de revelar as diversas facetas  do Houaiss, um intelectual múltiplo, que atuou em muitas áreas de interesse”, explica Helena Severo, responsável pelo projeto curatorial da exposição, juntamente com Maria Eduarda Marques. A iconografia da mostra está apoiada em textos dos acadêmicos Eduardo Portella e Evanildo Bechara, do diplomata Marcos Azambuja, do professor Roberto Amaral e de Reinado Paes Barreto, que integrou com Houaiss a confraria Companheiros da Boa Mesa, pois a gastronomia era uma das facetas do filólogo.

“Destacamos também o militante político que Houaiss foi. Um dos fundadores do Partido Socialista Brasileiro (PSB), ele foi um dos primeiros cassados pelo regime militar”, conta ainda Helena Severo. A ditadura recém-instalada em 1964 aposentou o diplomata e suspendeu os seus direitos políticos por dez anos.

Afastado da carreira diplomática, onde ingressou por concurso em 1945 e na qual exerceu importantes funções, Houaiss organizou duas grandes enciclopédias, a Delta-Larousse e a Mirador, e traduziu diversos livros, entre eles a obra-prima Ulysses, do romancista irlandês James Joyce.

exposição houaissexposição houaiss

 (/)

A partir de 1986, iniciou seu mais ambicioso projeto, o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, em colaboração com Mauro Villar. Considerado a mais completa obra do gênero, o dicionário só foi concluído após a morte de Houaiss pela equipe chefiada por Villar.

Segundo Helena Severo, a maior parte do material exibido na mostra veio do Centro de Estudos Latino-americanos (Cebela), guardião do acervo pessoal de Houaiss. “Ele não teve filhos e era viúvo quando morreu. Mas também recorremos a outras fontes, como os arquivos de imagens do Jornal do Brasil, da Folha de S. Paulo e da Academia Brasileira de Letras”, diz a curadora.

A exposição Antonio Houaiss – Singular, Plural fica em cartaz até 31 de março de 2016 e pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h, e aos sábados, das 11h às 14h. A entrada é gratuita e a Biblioteca Nacional fica na Avenida Rio Branco, 219, na Cinelândia, centro do Rio.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s