Confira 24 atrações gratuitas para curtir o fim de semana

Um guia com programas variados para se divertir sem gastar dinheiro

ESPECIAL

CineRua

O festival de cinema conta com shows ao ar livre em pontos turísticos do Rio pelos próximos domingos, até o dia 17. Neste domingo (3), a praia do Arpoador é o cenário para atrações como a DJ Lili, da festa Disritmia, às 17h, seguida de exibição de curta selecionado e do longa Grandes Olhos, de Tim Burton, além do show da banda Pietá.

 

“VEM!ÁGORA

Neste sábado (2), às 19h, tem  início a residência artística, no Teatro Ipanema, com show do cantor e performer Matheus VK e participações especiais do cantor Jonas Sá, da bailarina de stilleto Upsula e do ator Éber Inácio que fará números de cabaré. A noite segue com festa comandada pelo curador de música do teatro, produtor cultural e DJ Thiago Vedova.

Teatro Ipanema. Rua Prudente de Morais, 824 A  – Ipanema.  Informações, 2267-3750.

 

KravMaga

Neste domingo (3), a Federação Sul Americana de Krav Maga realiza um seminário para demonstrar à galera como se defender usando objetos do dia a dia, a exemplo de caneta, revista,  toalha e molho de chaves. Ministrado pelo introdutor do Krav Maga no país, Mestre Kobi Lichtenstein, o workshop “Exercícios táticos e uso de objetos comuns no Krav Maga” vai mostrar que a defesa pessoal poder ser exercida, mesmo quando o cidadão está desarmado. Interessados devem se inscrever pelo e-mail Kravmaga@kravmaga.com.br ou pelo 21-22263807. O encontro será na Hebraica Rio. (Rua das Laranjeiras, 346, Laranjeiras), das 8h30 às 16h.

 

Jardins do Rio II – Mostra de Plantas Ornamentais de Guaratiba


QUADRO-PLANTASQUADRO-PLANTAS

 (/)

Em meio à correria do dia a dia e aos ambientes residenciais cada vez mais compactos, a ideia de ter um jardim em casa pode parecer um devaneio. Engana-se, porém, quem pensa que é preciso abdicar do convívio com as plantas em função da falta de tempo e de espaço. A solução para a questão será apresentada no eventoJardins do Rio II — Mostra de Plantas Ornamentais de Guaratiba, uma espécie de Casa Cor verde. Em oito ambientes, abertos ao público a partir de sexta (1º), os paisagistas vão mostrar alternativas como os quadros vivos, feitos com bromélias e espadas-de-são-jorge, por exemplo. “Para mantê-los, basta usar um spray de água, sem necessidade de vaso e terra”, diz Cleide Bandeira de Mello. “A tendência é abusar cada vez mais do espaço vertical, que, além de embelezar o local, refresca o ambiente”, completa. Clique aqui para mais informações.

 

Festibal Beer & Food


Pappa JackPappa Jack

 (/)

Até domingo (3), os fãs de cervejas artesanais poderão degustar alguns rótulos e participar de oficinas sobre o assunto no Festival Beer & Food. Para comer, o público poderá se deliciar também com trucks de comidinhas como Cozinha Artagão, Pappa Jack e Espírito de Porco. Os trucks também irão sugerir pratos para harmonizar com os diversos tipos de cerveja presentes no festival. Clique aqui para mais informações.

 

Ato e Efeito

Ato & EfeitoAto & Efeito

 (/)

Criação de Rafael Teixeira, Fernando Neumayer e Luís Martino, o projeto celebra o teatro através do registro de cenas em que atores leem trechos de peças marcantes em suas respectivas carreiras. Nos filmes de curta duração, que serão exibidos no térreo do espaço, nomes como Debora Lamm, Gregorio Duvivier, Gustavo Gasparani e Charles Fricks atingem alta voltagem dramática durante suas leituras.

Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo,  3131-3060. Terça a domingo, 11h/20h. Grátis. Até 1º de maio.

 

CRIANÇAS

Recreação infantil

A programação traz diversas atividades para as crianças a partir de 2 anos. Os pequenos poderão participar de oficinas em diversos ambientes diferentes: oficinas de máscaras de carnaval, pintura, massinha, argila, desenho e jogos. O evento é gratuito e será realizada na Praça de Alimentação.

Shopping Bay Market fica na Av. Visconde do Rio Branco, 360, Centro, Niterói. Todo domingo, 17h.

 

Bisa Bia, Bisa Bel


Bisa Bia, Bisa Bel: encontro imaginário entre três gerações familiaresBisa Bia, Bisa Bel: encontro imaginário entre três gerações familiares

 (/)

Vencedor de sete prêmios, o musical, baseado no livro homônimo de Ana Maria Machado, retorna aos palcos cariocas para sua quarta temporada. Com direção de Joana Lebreiro, a trama narra a história de Isabel, que, depois de ler o clássico com os amigos, vivencia um encontro, em seu imaginário, com a bisavó e a bisneta. A partir da viagem no tempo, a personagem reforça a própria identidade. A montagem será encenada também nas Arenas Cariocas Abelardo Barbosa — Chacrinha (Pedra de Guaratiba), em 24 de abril; Jovelina Pérola Negra (Pavuna), em 30 de abril; Fernando Torres (Madureira), em 13 de maio; e Dicró — Carlos Roberto de Oliveira (Penha), em 28 de maio (60min). Rec. a partir de 5 anos.

Cidade das Artes (450 lugares). Avenida das Américas, 5300, Barra da Tijuca, ☎3325 0102. Sábado e domingo, 16h; quarta, 10h e 16h. Grátis. A distribuição de senhas será feita 1 hora antes do início de cada espetáculo. Estreia prevista para sábado (2). Até 10 de abril. 

 

FESTA 

Choro e samba na Praça

Todo domingo, na Praça São Salvador, acontece a apresentação de choro de ótima qualidade, seguido de um samba. Junto ao chorinho, tem uma feira com diversas barracas que vendem artesanato e outros produtos.

Praça São Salvador, Laranjeiras. Domingos, 11h.

 

CINEMA

15ª Mostra do Filme Livre

Mostra do Filme Livre

Mostra do Filme Livre

Começa nesta quata (9) a 15ª edição da Mostra do Filme Livre, no Centro Cultural Banco do Brasil. Com 205 filmes independentes, o evento tem como foco discutir a atual produção do cinema brasileiro, em especial os curtas e longas-metragens fora do circuito comercial. Em cartaz até o dia 4 de abril, a mostra seguirá depois para São Paulo, Brasília e Belo HorizonteClique para saber mais.

 

EXPOSIÇÕES

Nós

Curto, o nome da mostra diz quase tudo: Nós. A palavra alude tanto ao plural de nó, tipo de amarração, quanto ao pronome da primeira pessoa do plural. O primeiro sentido é usado pela curadora Fernanda Pequeno para definir o entrelaçamento das obras e a forma de composição do ambiente expositivo. O segundo diz respeito à reunião de dez artistas brasileiros na Galeria 4 da Caixa Cultural. Estão expostas obras de Alexandre Sá, Ana Miguel, Anna Maria Maiolino, Arthur Bispo do Rosário, Cristina Salgado, Daniela Mattos, Leo Ayres, Renato Bezerra de Mello, Ricardo Basbaum e Tunga. Foram selecionados desenhos, objetos, instalações, vídeos, bordados, esculturas e pinturas. Dos vinte trabalhos escolhidos, quatro são de Bispo do Rosário (1911-1989), criador inspirado que passou a maior parte da vida como um dos internos da instituição psiquiátrica Colônia Juliano Moreira.

Caixa Cultural (Galeria 4).  Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 3980-3815, ↕ Carioca. →Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 8 de maio.

Conversação

ConversaçãoConversação

 (/)

As belezas naturais do Rio levam a certa injustiça contra a cidade: pouco se fala das maravilhas artificiais locais. Na exposição de fotos Conversação, com abertura prevista para este sábado (5), no Parque das Ruínas, Aristides Correa Dutra propõe um olhar atento sobre a cidade construída. Ele evitou monumentos como o Theatro Municipal, o MAM ou nosso ícone mais recente, o Museu do Amanhã. Nas imagens, ressalta “personagens” raramente notados pelo passante apressado. “Quase todas as fotos têm a figura humana. Há vultos históricos, santos, anjos, alegorias, figuras mitológicas e máscaras”, relata o artista plástico e fotógrafo, que se diz influenciado por Marc Ferrez e Augusto Malta, e pelo fotógrafo de moda alemão Horst P. Horst (1906-1999), devido ao “tratamento escultórico que dava ao corpo humano”. Flanando pela cidade, Dutra trilha caminho oposto ao humanizar esculturas cariocas — a exemplo de Alegoria da Sabedoria, trabalho de terracota que enfeita o topo do Solar do Visconde do Rio Seco, no Centro.

Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas. Rua Murtinho Nobre, 169, Santa Teresa,  2215-0621. Terça a domingo, 10h às 18h. Grátis. Até 8 de maio.

 

Manfredo de Souzanetto

Mineiro da cidade de Jacinto, Manfredo de Souzanetto despontou em 1974, no Salão de Arte Universitária de Belo Horizonte. Estudou em Paris entre 1975 e 1979 e, no Rio, formou-se no curso de gravura da Escola de Belas Artes da UFRJ. Por aqui, desenvolveu obra rica, em fases que vão dos trabalhos geométricos em papel, nos anos 70, às telas sobre estruturas de formas diversas, na década seguinte, passando por fotografias, pinturas-relevo, objetos e esculturas. Em boa parte das pinturas, o artista se vale de pigmentos naturais fabricados por ele, com destaque para tipos e tons de terra de seu estado natal. Paisagem Ainda que, retrospectiva aberta para o público a partir de quinta (24), exibe 38 pinturas e cinco fotos de Souzanetto distribuídas por quatro salas. O artista encabeça o novo pacote de exposições do Paço, que inclui, abrindo na mesma data, individuais de Elisa Bracher (desenhos e esculturas, Marco Veloso (desenhos), Regina de Paula (videoinstalações e fotos) e Tatiana Grinberg (videoinstalação e esculturas).

Paço Imperial. Praça Quinze de Novembro, 48, Centro, 2215-5231. → Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 29 de maio.

 

Modernidades Fotográficas, 1940-1964

Modernidades Fotográficas

Modernidades Fotográficas

A mostra passou por Berlim — onde estreou, em outubro de 2013 —, Lisboa, Paris e Madri. Foi considerada, pelo site Huffington Post, uma das cinco melhores exposições para visitar em 2015. Pertencente ao acervo do Instituto Moreira Salles, a coleção, com 160 itens, volta para casa: a partir de domingo (20), a sede carioca da instituição abre para visitação pública Modernidades Fotográficas, 1940-1964. Da coleção assinada por quatro autores emerge um rico panorama histórico. Marcel Gautherot (1910-1996), nascido em Paris, tinha origem operária e, ao fixar-se no Brasil, em 1940, batalhou pela formação de uma identidade nacional. O piauiense José Medeiros (1921-1990) é o fotojornalista por excelência, cria da redação de O Cruzeiro, revista na qual trabalhou por mais de quinze anos. Terceiro na lista, o húngaro Thomaz Farkas (1924-2011) chegou ao Brasil com 6 anos e tornou-se um dos principais fotógrafos da construção de Brasília (era o preferido de Oscar Niemeyer). Por último, mas não menos importante, como o visitante vai constatar, Hans Gunter Flieg, nascido em 1923, marca presença com suas imagens de traços futuristas. Vindo da Alemanha e radicado em São Paulo, ele registrou o processo de industrialização do país.

Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea,  3284-7400. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 26 de fevereiro de 2017. 

Only You

ONLYYOU4ONLYYOU4

 (/)

Ao longo de três anos, o fotógrafo paulistano Leonardo Kossoy registrou em fotos e vídeos cenas dos atores Gilda Nomacce e Germano Melo nus. As poses sugerem situações dramáticas ou formas geométricas com os corpos do casal. No total, são cerca de 140 obras, entre fotos, instalações e vídeos. O título da mostra remete ao hit musical homônimo gravado pelo grupo americano The Platters, nos anos 50, e trata do desejo do artista de falar das relações a dois. A curadoria é do também fotógrafo Fernando Azevedo. 14 anos. Estreia prevista para terça (15).

Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro  2253-1580. ↕ Uruguaiana. Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 8 de maio.

Agricultura da Imagem

Com passagens por São Paulo e Fortaleza, a mostra reúne obras do amazonense Rodrigo Braga. Radicado no Rio, ele usa a natureza como matéria-prima para suas obras. Serão exibidas trinta fotografias, três vídeos e uma instalação, além de objetos pessoais e desenhos originais, inspirados pelas paisagens da Floresta da Tijuca, do litoral de Pernambuco e do Rio Negro, no Amazonas. Braga possui trabalhos em acervos importantes no Brasil e no mundo, a exemplo do MAM carioca e da parisiense Maison Européenne de la Photographie.

Espaço Cultural BNDES. Avenida República do Chile, 100, Centro,  0800 702-6337, ↕ Carioca. → Segunda a sexta, 10h às 19h. Grátis. Até 15 de abril.

Visão Fontana

Para o poeta mato-grossense Manoel de Barros (1916-2014), “visão fontana” é a maneira pela qual os poetas veem o mundo. A visão seria a própria fonte do que se vê, e não uma mera constatação. Em sua primeira individual, o jovem artista plástico petropolitano Bruno Belo se apropria do conceito criado pelo poeta para apresentar um recorte de sua produção recente. Visão Fontana, a mostra, reúne trabalhos em tela e papel, em grandes e pequenas dimensões, executados com tinta a óleo, acrílica, aquarela e pó de grafite, todos inéditos.

Galeria de Arte Ibeu. Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 690, 2º andar, Copacabana,  3816-9473. Segunda a sexta, 13h às 19h. Grátis. Até 8 de abril.

 

Outras Portas da Percepção — Um Experimento em Teoria da Imagem

Desde os anos 70, Arthur Omar marca presença em múltiplas áreas da produção cultural. Atua como cineasta, fotógrafo, ensaísta, artista plástico, muitas vezes fazendo tudo ao mesmo tempo. Pioneiro, no país, na exploração de novas mídias, já expôs na Bienal de São Paulo (1997) e no nova-iorquino MoMA (1999). Em sua mais recente mostra, Outras Portas da Percepção — Um Experimento em Teoria da Imagem, Omar exibe três séries de fotografias acompanhadas de fragmentos de texto. Nas fotos, tenta capturar o momento em que a imagem sem forma começa a se definir. Na Galeria 1 pontificam interferências sobre o quadro A Menina do Brinco de Pérola, do holandês Johannes Vermeer (1632-1675). A Galeria 2 abriga imagens de matéria inanimada transformadas, de maneira bem subjetiva, em seres míticos. Na Galeria 3, formas indefinidas ganham recortes nítidos e imagens coloridas são apresentadas em preto e branco. A ideia é que o visitante saia com a sensação de ter experimentado “uma sucessão de acasos inesperados”, nas palavras do artista.

Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, níveis 2, 4 e 5, Flamengo,  3131-3060. → Terça a domingo, 11h às 18h. Grátis. Até 1º de maio.

 

Guilherme Vaz


Guilherme VazGuilherme Vaz

 (/)

Ainda que tecnicamente correta, a classificação do mineiro Guilherme Vaz como músico e compositor soa insuficiente. Um dos mais premiados autores de trilhas sonoras do país, com mais de sessenta filmes no currículo, ele introduziu a música concreta no cinema brasileiro, com o filme Fome de Amor (1968), de Nelson Pereira dos Santos. Adepto das experimentações, acabou por fazer parte, entre o fim dos anos 60 e o início da década seguinte, da nascente cena carioca da arte conceitual, tornando-se um pioneiro ao produzir obras que tinham por base o som. Essa rica trajetória é apresentada em Uma Fração do Infinito, mostra que abre na quarta (13) no CCBB. Uma das salas será inteiramente dedicada às investigações de Vaz no campo da música, incluindo instalações sonoras e partituras convencionais e conceituais — entre as últimas, Silêncio, com instruções para uma performance. Vídeos, fotografias, desenhos e pinturas completam o acervo.

Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro,  3808-2020.→ Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis. Até 4 de abril.

 

✪✪✪✪ Zeitgeist — A Arte da Nova Berlim

Desde o fim da Guerra Fria, Berlim atrai artistas de todas as partes do planeta.A queda do Muro, em 1989, refundiu os lados ocidental e oriental da cidade e gerou um sentimento de liberdade propício à experimentação, alimentado por alegre miscelânea de tendências com altas doses de criatividade. De certa maneira, a capital da Alemanha retomou o lugar de destaque entre os principais centros produtores de vanguardas artísticas mundiais que ocupava no começo do século XX. A mostra Zeitgeist — A Arte da Nova Berlim, em cartaz no CCBB, capta essa realidade de modo emocionante, reunindo obras que testemunham processos únicos de destruição, reconstrução e ocupação do espaço urbano. São apresentados os olhares múltiplos de 29 artistas plásticos contemporâneos. Nas fotos de grande formato, ruínas compõem imagens de rara beleza. Há retratos fantasmagóricos da terra de ninguém que partia Berlim ao meio, com passado e presente misturando-se diante dos olhos. É melancólico e bonito. Na sala Clube Berlim, dedicada à cena tecno do bairro de Mitte, iluminada por luz vermelha, o visitante é envolvido pela cultura eletrônica. Trinta anos de flyers, fotos dos clubes que ocupavam imóveis destruídos, fotos das fachadas, música, projeções e sets de DJs recriam com precisão a cena dos anos 80 e 90 — quem viveu os ecos desse movimentopor aqui vai sentir uma ponta de saudade.

Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro,  3808-2020. Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis. Até 4 de abril.

 

Depois do Futuro — Daniela Labra

A coletiva faz parte do programa Curador Convidado, em que curadores mesclam trabalhos de alunos da Escola de Artes Visuais (EAV) a obras de artistas conhecidos. A convidada deste ano, que marca a quarta edição da mostra, é a chilena radicada no Rio Daniela Labra. O fio condutor para a escolha das obras é a noção de futuro. Daniela reuniu cerca de sessenta criações de 39 artistas plásticos brasileiros e estrangeiros. Entre os nomes em destaque estão os brasileiros Laercio Redondo e Lia do Rio, a mexicana Teresa Margolles e a espanhola Irene de Andrés. Na programação paralela, o público poderá participar de debates com acadêmicos, ativistas e artistas.

Parque Lage. Rua Jardim Botânico, 414, Jardim Botânico,  3257-1800. Segunda a domingo, 10h às 17h. Grátis. Até 1º de maio.

 

ESPORTE

Praia Para Todos

O Projeto Praia Para Todos retoma as atividades de acessibilidade neste verão. Das 9h às 14h, de sábado e de domingo, portadores de necessidades especiais poderão participar do banho de mar assistido, vôlei sentado, surf e Stand up paddle adaptado. Até 30 de abril de 2016. Clique para saber mais. 

 

Runbase Rio


runbase_26runbase_26

 (/)

A casa de apoio da Adidas a corredores amadores recebe os cariocas. Instalado na Lagoa Rodrigo de Freitas, em frente ao Parque da Catacumba, o espaço funcionará diariamente entre 6h e 21h (segunda a sexta) e de 8h às 14h (sábado e domingo). O local oferece ao público empréstimo de diversos modelos de tênis de corrida da marca, vestiários com chuveiros, armários, além do teste de pisada, importante para identificar que tipo de tênis se adequa melhor a cada pessoa. Clique para saber mais.

 

Meditação na Praia do Flamengo

O monge Luís Carlos de Mello, do movimento religioso Happy Science (Ciência da Felicidade), faz uma sessão de meditação que dura em média 45 minutos. Mello faz uso de métodos de relaxamento e energização para introduzir os participantes a temas como espiritualização, fortalecimento da mente, controle dos pensamentos, alívio nas doenças, obtenção de curas, conexão e harmonia com universo, busca do ‘eu’ interior, entre outros.

Praia do Flamengo, entre os postos 2 e 3. Todos os domingos, 11h.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s