Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Autoridades investigam suspeita de reinfecção por coronavírus no Rio

Moradora de Volta Redonda, paciente teria se reinfectado em agosto

Por Agência Brasil 27 ago 2020, 11h42

Autoridades sanitárias investigam se uma mulher de 39 anos, moradora de Volta Redonda, se reinfectou com o novo coronavírus. A suspeita foi informada nesta quarta (26) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) do Rio de Janeiro.

+Pesquisa mostra crise gerada pela covid-19 na economia criativa 

Segundo a Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da SES, a mulher mora no município do Sul Fluminense, mas trabalha em Angra dos Reis e na capital. Ela teria contraído o vírus pela primeira vez em maio e adoecido novamente em agosto. O caso está sendo investigado pela SES, em parceria com os três municípios e o Ministério da Saúde.

+Semana do Brasil deve injetar R$ 3,9 bilhões na economia fluminense 

A possibilidade de se infectar mais de uma vez pelo novo coronavírus vem sendo objeto de estudos ao redor do mundo. A Fiocruz, por meio da parceria entre o Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (CDTS/Fiocruz), o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz) e o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) desenvolve pesquisa sobre o tema.

Continua após a publicidade

Segundo a fundação, a pesquisa ainda não produziu dados conclusivos. Assim que os resultados forem obtidos e publicados, de forma segura, a instituição irá divulgar os dados.

Hong Kong

Pesquisadores da Universidade de Hong Kong, na China, anunciaram nesta semana que confirmaram um caso de reinfecção pelo novo coronavírus. O homem, de 33 anos, contraiu o vírus pela segunda vez neste mês depois da primeira infecção, em março.

+Estudo mostra melhora no consumo de alimentos saudáveis 

Em resposta a jornalistas na entrevista coletiva da última segunda-feira (24), a líder técnica para covid-19 da Organização Mundial de Saúde, Maria Van Kerkhove, destacou que a documentação da reinfecção em Hong Kong é importante, mas pediu cautela. “Não podemos pular para nenhuma conclusão”, disse ela, que lembrou que a confirmação foi a primeira em quase 24 milhões de casos e destacou que há pesquisas em curso em todo o mundo acompanhando a resposta imune desenvolvida por pessoas que tiveram covid-19.

Continua após a publicidade
Publicidade