Imagem Blog

Solta o som Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Aqui cabe de tudo: do popular ao alternativo, do clássico ao moderno. Confira as novidades, bastidores e críticas sobre o que acontece no mundo da música dentro e fora do Rio de Janeiro
Continua após publicidade

Muito antes do Paulo Barros

Nada não, só para lembrar que, no país do Carnaval, já caprichavam na festa desde os tempos do Brasil Colônia

Por Pedro Tinoco Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 28 fev 2018, 20h24 - Publicado em 28 fev 2018, 20h18
O carro das cavalhadas sérias: maior alegoria do cortejo em tributo aos infantes de Portugal (Biblioteca Nacional/Divulgação)

A troca de noivas deu-se em 1785. Após negociações entre as respectivas casas reais, foram acertados o casório do jovem nobre português dom João VI com a espanhola Carlota Joaquina, além do enlace entre a irmã dele, Mariana Vitória, e o irmão de Carlota, dom Gabriel. Naquele tempo, com Portugal cheio do ouro de suas colônias, tudo virava festa faustosa – nas colônias, inclusive. Em fevereiro de 1786, dom Luís de Vasconcelos, então o manda-chuva por essas bandas, vice-rei dos “Estados do Brazil”, decidiu homenagear o matrimônio duplo dos patrõezinhos da metrópole com um luxuoso cortejo pelo Passeio Público, desdobrado em três noites, com direito a cenografia suntuosa, na forma de pórticos ao ar livre, fogos, encenação teatral de episódios míticos e históricos e seis enormes carros alegóricos. Incumbido por dom Luís de Vasconcelos, o carnavalesco, digo, o realizador do desfile em todos os seus detalhes, da criação de poemas laudatórios ao desenho dos carros, foi o militar Antônio Francisco Soares. Qual um Joãosinho Trinta do Brasil colonial, Soares se esmerou. O quinto e maior dos carros, intitulado o “carro das cavalhadas sérias”, que você vê na imagem acima, tinha 11 metros de altura. Levava a bordo músicos ricamente vestidos e, no topo, ostentava o templo de Himeneu, o deus grego do casamento, entre brasões de Portugal e da Espanha. Enfeitada com profusão de tecidos (veludo, seda, cetim), a alegoria era puxada por cavalos brancos e acompanhada por 24 cavaleiros montados, gente da alta d’antanho, seguidos por seus criados e escudeiros. Bicas, no carro, derramavam água durante o trajeto. Tudo isso, em plena rua, no Centro, em fevereiro de 1876…

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.