Imagem Blog

Solta o som

Por Blog
Aqui cabe de tudo: do popular ao alternativo, do clássico ao moderno. Confira as novidades, bastidores e críticas sobre o que acontece no mundo da música dentro e fora do Rio de Janeiro
Continua após publicidade

Erasto, irmão de Naná

  Percussionista de renome, o pernambucano Naná Vasconcelos já tocou com B.B. King, David Byrne, Don Cherry e Egberto Gismonti, além de formações clássicas, músicos do Tibete, por aí vai. Mundo afora, é tão reconhecido pelo talento quanto pela maneira tremendamente original como apresenta sua música – e volta a fazê-lo por aqui na sexta […]

Por Pedro Tinoco Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 25 fev 2017, 18h43 - Publicado em 4 abr 2014, 22h22
Erasto Vasconcelos: o "farol de Olinda"

Erasto Vasconcelos: o “farol de Olinda”

 

Percussionista de renome, o pernambucano Naná Vasconcelos já tocou com B.B. King, David Byrne, Don Cherry e Egberto Gismonti, além de formações clássicas, músicos do Tibete, por aí vai. Mundo afora, é tão reconhecido pelo talento quanto pela maneira tremendamente original como apresenta sua música – e volta a fazê-lo por aqui na sexta (11), no Teatro Rival. No quesito singularidade, porém, ele perde em casa. Seu irmão Erasto Vasconcelos, 66 anos, definido por colegas músicos como o “farol de Olinda”, é figura folclórica e admirada em Pernambuco. No começo da carreira, em 1965, Erasto morou no Rio e, como percussionista, acompanhou estrelas do porte de Milton Nascimento, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Gal Costa. Em Nova York, nos anos 70, tocou ao lado do saxofonista Stan Getz e gravou o LP Stone Alliance, com Marcio Montarroyos e Hermeto Pascoal. De volta ao Brasil, no começo da década de 80, mergulhou na tradição rítmica de sua terra para produzir um repertório tão peculiar quanto raro – seu primeiro disco, Jornal da Palmeira, só viria a ser lançado em 2005. Munido de instrumentos que ele mesmo inventa, une elementos de frevo, coco, maracatu, caboclinho, ao trabalho de gente bem mais nova, a exemplo da banda Eddie, pioneira do mangue beat, ou das cantoras Karina Buhr e Isaar. Habitante de um universo de fantasia entre o passado e o futuro, Erasto Vasconcelos, grandalhão de movimentos leves, é desses personagens únicos que, sem muita gente notar, contribuem tremendamente para enriquecer a nossa música.

Assista, abaixo, ao clipe da canção Capiba Diz que É pra Já e, nesse link aqui, a um belo curta (curto mesmo, 3 minutos) dirigido por Roberto Berliner

Continua após a publicidade

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=nA5Ba5aOiC8?feature=oembed&w=500&h=375%5D

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.