Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Patrícia Pereira Por Patrícia Pereira, jornalista Criadora do site Rio de Boas Notícias

Boas notícias proliferam em tempos de coronavírus

Paradoxo à vista: pandemia de Covid-19 fez os jornais ficarem repletos de notícias positivas. E elas têm seu papel nesta crise

Por Patrícia Pereira 13 abr 2020, 22h47

Quem não se emocionou com o vídeo da senhora de 94 anos, aplaudida de pé, ao vencer o Covid-19? Ela teve alta após passar dez dias na UTI do Hospital do Fundão. Revigorou nosso ânimo. A boa notícia é um fio de esperança em meio à tragédia.

Mas o noticiário positivo pode ser – e tem sido – muito mais do que um alento. Quando criei o Rio de Boas Notícias, que publica há quase dois anos, todos os dias, histórias inspiradoras ocorridas na cidade, a proposta era levar aos cariocas boas ideias que pudessem ser enaltecidas e replicadas pelo Rio.

Uma grata surpresa nesta pandemia, se é que podemos dizer isso, foi ver a explosão de boas notícias  na mídia e a confirmação do que acreditava: se expostas a boas ideias, as pessoas estão dispostas a ser solidárias e a colaborar.

Um bilhete foi deixado no elevador de um prédio oferecendo ajuda para que idosos, grupo de risco, não precisassem ir às ruas fazer compras. A foto viralizou nas mídias sociais e, em seguida, bilhetinhos semelhantes proliferaram em vários prédios.

A TV mostrou uma notícia triste: moradores de rua não tinham água limpa e muito menos sabonete para lavar suas mãos. Alguém pendurou em um muro duas garrafas, uma com água e outra com sabão, para quem precisasse usar. Uma gota em meio ao oceano necessário, né? Logo, logo várias garrafas foram espalhadas pelos bairros do Rio.

Com o isolamento, muita gente ficou sem dinheiro até para se alimentar. O dono de uma padaria colocou do lado de fora um cesto com pães grátis para quem não pudesse comprar. E vieram outras cestas de pães e também mesas com mantimentos na porta de mercados, doados pelo estabelecimento, por clientes e por moradores das redondezas.

São apenas três exemplos de gestos simples e de curto alcance, mas que ganharam visibilidade e se multiplicaram, tornando melhor a vida de muita gente. Me faz lembrar uma famosa frase atribuída ao escritor Eduardo Galeano: “muitas pessoas pequenas, em lugares pequenos, fazendo coisas pequenas, podem mudar o mundo”. Eu só acrescentaria, pra dar um impulso: que estes gestos virem notícia!

Patrícia Pereira é jornalista e há dois anos criou o Rio de Boas Notícias (www.riodeboasnoticias.com.br). Lá publica diariamente histórias positivas que ocorrem em solo carioca.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)