Imagem Blog

Otavio Furtado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Otavio Furtado, jornalista especializado em pautas LGBTQIA+
Rio LGBTQIA+
Continua após publicidade

Campanha refuta objetificação dos corpos femininos no carnaval

Dove foca especialmente nos turistas estrangeiras para provocar reflexão sobre o tema

Por otavio_furtado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
11 fev 2024, 08h18

Se o verão carioca já expõe mais os corpos femininos, o carnaval é uma época em que há ainda mais destaque. Por isso a data foi escolhida pela Dove para lançar uma campanha contra a objetificação do corpo feminino e a redução do mesmo a um estereótipo, especialmente pelos turistas estrangeiros que chegam para curtir a folia.

Leia também: Diretora de Carnaval fala da dificuldade em comandar em um ambiente machista

Segundo uma pesquisa feita pela empresa, 80% das mulheres do nosso país se sentem incomodadas e desrespeitadas com a imagem que os corpos femininos brasileiros são reproduzidos pelo mundo afora. Ainda, a maioria (61%) acreditam que essa imagem impõe um padrão de beleza  que não corresponde ao seu corpo e é irreal para as respondentes.

Esse incômodo com a imagem explorada fora do nosso país foi a inspiração para a agência Soko criar a campanha pra Dove. Com mensagens em espanhol e inglês espalhadas em pontos estratégicos da cidade, como aeroportos, as provocações feitas pela marca pretendem atingir turistas do mundo inteiro que chegam a cidade para esse período.

Continua após a publicidade
Campanha Dove em aeroporto
Campanha tem versão em inglês e espanhol para atingir turistas (divulgação/Divulgação)

“É sabido que o estereótipo do corpo brasileiro é um corpo considerado ‘padrão’ e que isso,  além de afetar a nossa autoestima, resulta na hiper sexualização da mulher brasileira mundo afora”, lembra Andreza Graner, Diretora de Marketing de Dove.

Participam da campanha que também toma conta das redes sociais da marca nomes como Fernanda Paes Leme, Astrid Fontenelle, Dani Rudz, Rafa Brites e Letticia Munniz. Elas trazem debates como sobre pouquíssimas (apenas 15%) brasileiras se sentem representadas pelo esteriótipo de corpo e como a maioria (57%) se sente desconfortável com essa imagem sendo transmitida no exterior.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.