Otavio Furtado

Por Otavio Furtado, jornalista e consultor de diversidade & inclusão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Continua após publicidade

Medalha Tiradentes para ONG LGBT gera bate-boca no plenário da Alerj

Grupo Arco-Íris, organizador da Parada LGBTQIA+ do Rio, receberia homenagem pelos seus 30 anos de existência

Por otavio_furtado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 14 jun 2023, 18h37 - Publicado em 14 jun 2023, 08h00
  • Seguir materia Seguindo materia
  • Uma sessão plenária, ontem (13/06),  para definir sobre a entrega da Medalha Tiradentes para ONG LGBT virou discussão no plenário da Alerj. A proposta do deputado Carlos Minc (PSB) de conceder ao Grupo Arco-Íris a honraria máxima da Assembleia Legislativa do Rio acabou sendo arquivada.

    Publicidade

    O grupo é responsável pela organização da Parada do Orgulho LGBTQIA+ do Rio, a mais antiga do Brasil, e atua ao longo do ano com ações e projetos de proteção a comunidade. Recentemente, em 21 de maio, completou 30 anos de luta na busca por direitos, pelo reconhecimento da riqueza das diferentes orientações sexuais e identidades de gênero, pela promoção da inclusão e visibilidade.

    Publicidade

    Alan Lopes (PL) foi o principal opositor do projeto de conceder a Medalha Tiradentes para ONG LGBT e chegou a discutir com Verônica Lima (PSOL). Após o debate, Lopes pediu verificação de quórum e na votação o projeto acabou sendo arquivado.

    Os deputados opositores apresentaram imagens numa passeata em que integrantes teriam vilipendiado símbolos católicos. Segundo Claudio Nascimento, Presidente do Grupo-Arco-Íris, as imagens feitas há mais de 10 anos não acontecerem na Parada LGBTQIA+ do Rio.

    Publicidade

    “Eles trabalham sempre com a desinformação, a fake news, a mentira para rejeitar que nosso amor, que nosso afeto e que nossa existência aconteça”, comentou Claudio.

    Continua após a publicidade

    Assessoria do deputado Alan Lopes pede resposta a matéria

    Publicidade

    A assessoria de imprensa do deputado Alan Lopes (PL) entrou em contato pedindo inclusão de resposta na matéria. Em um primeiro momento o deputado reafirmou a informação errada que “as imagens comprovam que o crime de vilipêndio religioso ocorreu durante a Parada LGBTQIA+ do Rio”. 

    Alertado pelo jornalista que tratava-se de informação inverídica, facilmente comprovada pelo fato da imagem se referir a Marcha das Vadias de 2013, realizada no dia 27 de julho, enquanto a Parada LGBTQIA+ do Rio aconteceu no dia 13 de outubro, mudou a versão e emitiu nova resposta em que afirma que “o mesmo grupo que organiza a Parada LGBTQI+, Arco-Íris, também convocou para a Marcha das Vadias, em que os atos vilipendiosos e atentatórios à fé ocorreram”.

    Publicidade

    Sobre a nova versão, o Grupo Arco-Íris esclarece que apenas divulgou que o evento iria ocorrer em suas redes sociais, que não participa da organização do mesmo e que por isso não tem  responsabilidade por atos praticados por pessoas que estavam participando da marcha. Vale ressaltar que a marcha está ligada ao movimento feminista.

    Publicidade
    Publicidade

    Essa é uma matéria fechada para assinantes.
    Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

    Domine o fato. Confie na fonte.
    10 grandes marcas em uma única assinatura digital
    Impressa + Digital no App
    Impressa + Digital
    Impressa + Digital no App

    Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

    Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
    *Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

    a partir de 49,90/mês

    PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
    Fechar

    Não vá embora sem ler essa matéria!
    Assista um anúncio e leia grátis
    CLIQUE AQUI.