Imagem Blog

Otavio Furtado

Por Otavio Furtado, jornalista e consultor de diversidade & inclusão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

Camila Farani fala dos prazeres e dificuldades da maternidade homoafetiva

Empresária mostra o cotidiano da sua família nas redes sociais para normalizar a dupla maternidade

Por otavio_furtado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
5 jul 2024, 08h42

Quando anunciou ano passado a chegada do primeiro filho com a esposa Tula Tavares, Camila Farani começava a trazer o assunto da maternidade homoafetiva não só para seu dia, mas também para as redes sociais. Desde então compartilhou muitas descobertas, prazeres, mas também dificuldades de todo o processo.

Leia também: Livro Duas mães e uma filha fala para além de mulheres LBTQIA+

“Queria ser mãe já há alguns anos e dei uma protelada porque comecei a focar muita na minha carreira. Até que encontrei a pessoa certa, com quem queria construir uma família”, explica a empresária que ficou conhecida por ser uma “tubarão” do Shark Tank Brasil.

Este foi o primeiro desafio da maternidade, entender o momento certo para realizar o sonho. Ela e Tula chegaram ao consenso de adaptar o trabalho de forma que as duas pudessem revezar nos cuidados da criação do filho Lucca. “É importante dizer que coloquei metas na minha vida para culminar nesse momento que pude ter uma maternidade mais tranquila”, explica.

A escolha do método – reprodução assistida – sempre foi consenso entre o casal, mas Camila conta que tiveram sorte de Tula engravidar na primeira tentativa. Ainda lembrou que ela mesmo tinha tentado antes, quando estava com o ex-marido, sem sucesso. Por isso faz questão de enfatizar que esse processo é algo que pode ser desgastante e doloroso, gerando frustração a cada tentativa que não é bem sucedida.

Continua após a publicidade
Camila Tavares maternidade homoafetiva
Camila Farani com a esposa Tula Tavares e o filho Lucca (Camila Tavares/Arquivo pessoal)

No caso de maternidade homoafetiva outras dificuldades aparecem no processo. É o caso do registro da criança, que tem uma burocracia maior, além da dificuldade no acesso a informação. “Eu pensei até pra conseguir informação. Os próprios cartórios não sabiam como dar a informação”, lembra Camila. E mesmo quando achou um que acolheu melhor, enfrentou o fato do registro constar ainda nome do pai e da mãe, sem espaço para outros perfis familiares.

São exatamente por esses desafios a mais na dupla maternidade que a empresária decidiu usar sua visibilidade para trazer o tema a tona em entrevistas e redes sociais. “Usar nossas vozes é muito válido para que isso se torne comum cada vez mais”, comenta. Mas nem sempre é fácil e enfrentar os haters é algo cotidiano. “Mas combinei comigo mesma, com ajuda da terapia, que não ficaria ruminando esse comentários”, explica como lida com a situação.

O propósito para seguir na batalha de falar sobre o tema é simples: também ser uma forma de apoio para outros casais homoafetivos que desejam se tornar mães ou pais. Nesse sentido Camila destaca a rede de apoio que encontraram. “Primeiro porque você encontra pessoas com o mesmo objetivo e se sente parte de alguma coisa. Se não for na família, com certeza tem em outros lugares. O que não pode é você se achar uma pessoal anormal por conta disso. Isso acontece muito por parte da sociedade, de religião. E a pior coisa é se sentir que não faz parte de algo”, finaliza.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.