Imagem Blog

Otavio Furtado

Por Otavio Furtado, jornalista e consultor de diversidade & inclusão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

Como o autismo influenciou o trabalho de Vitor Fadul

Cantor teve diagnóstico tardio, aos 25 anos, junto com o lançamento do seu primeiro single

Por otavio_furtado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
25 jun 2024, 08h42

Para Vitor Fadul os 25 anos foram um marco importante. Além de ter lançado nesta idade o seu primeiro single, o cantor teve na mesma época um diagnóstico tardio do espectro autista. Coincidência? Ele afirma que sim, até porque já trabalhava em seu primeiro projeto há alguns anos.

Filho de evangélicos, Vitor deve as primeiras oportunidades acompanhando o pai que cantava na igreja. “Meu pai sempre teve o sonho e ser artista e acabou me influenciando muito e me incentivando”, comenta. Suas inspirações maiores vieram da pop music, como Beyoncé a quem se declara fã desde pequeno. Mas foi quando viu Adam Lambert cantando, aos quinze anos, que entendeu o que queria para a sua carreira. “Sempre ouvi muito o Adam. O que ele faz é mágica”, declara.

Foram 10 anos desde a composição do primeiro single até o lançamento do álbum, em um trabalho de construção. “Fui desenvolvendo o trabalho até que passei pra fase de execução, tendo em mente que estava construindo esse projeto a cada single”. Foi assim até o sexto lançado quando explicou aos fãs que tratava-se de um álbum completo e mostrou que a construção do mesmo foi feita com o apoio deles também.

Mas é claro que suas vivências acabam influenciado em seu trabalho. “O diagnóstico explica que não sou o ‘ET’ que me sentia em parte da minha vida. Quando tem o diagnóstico começo a entender que ele faz parte de como foi todo o meu desenvolvimento. Tudo que eu faço tem a ver com o autismo, logo todas as especificidades do meu trabalho, das ideias de como pensei a minha construção enquanto artista passa por ele”.

Panapaná, nome do álbum, significa coletivo de borboleta. Nada mais apropriado para a ideia do artista na criação do seu trabalho. “Faço uma metáfora que tem como mensagem a construção, seja ela consciente ou inconscientemente. Finalizar esse trabalho significa que eu me transformei a ponto de conseguir fazer isso acontecer. Daquele ser que rasteja ao que fica por um tempo no casulo e voa”, finaliza.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.