Imagem Blog

Manoel Carlos

Por Blog
Blog do novelista Manoel Carlos
Continua após publicidade

De bar em bar

Leia na crônica de Manoel Carlos

Por Manoel Carlos
Atualizado em 26 jun 2017, 09h00 - Publicado em 26 jun 2017, 09h00

A crônica sobre as casas de chá de São Paulo chamou a atenção de alguns leitores — que, pelo teor do que escreveram, pertencem à minha geração. E um deles, de boa memória, protesta, com leveza, contra os exemplos que apresentei: cito Mappin e Jaraguá, duas casas de chá paulistanas, e deixo de mencionar as do Rio. E, declarando-se não saudosista nem bairrista, afirma que é apenas uma questão de justiça: afinal, o Rio, até mesmo por ter sido durante muito tempo a capital da República, sempre deu espaço às casas elegantes, de frequência seleta, assim como aos restaurantes prestigiados pela classe teatral, como La Fiorentina e Cervantes, ambos em Copacabana. Mais famosos (segundo ela, a leitora) do que o Giggeto, em São Paulo. E vai adiante em suas comparações.

— O senhor fala no Nick Bar, paulistano também, como um inesquecível bar frequentado por uma constelação de astros e estrelas. Mas em qual deles o senhor encontraria um Tom Jobim ao piano? Quem sabe até acompanhando Vinicius de Moraes?

Saudosismo, rivalidade ou bairrismo, qualquer nome que se dê a essa disputa que já se tornou folclórica, o que restou é o que conta. Consultei meu arquivo e encontrei a crônica mencionada, a de número 94, publicada aqui na Vejinha em 17 de fevereiro de 2008, portanto à beira de completar dez anos. Chama-se “Nick Bar”, tal como a peça de William Saroyan, produzida pelo Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), com um elenco fulgurante, onde brilhava a sempre lembrada Cacilda Becker.

Aos leitores de boa memória, peço licença para reproduzir um pequeno fragmento dessa crônica:

Quem tenha vivido ou passado por São Paulo nos anos 50 saberá o que foi esse ponto de encontro de algumas das mais cintilantes personalidades artísticas do nosso país. Para os mais jovens, eu conto que o Nick Bar funcionava ao lado do Teatro Brasileiro de Comédia, na Bela Vista, coração do Bexiga, em São Paulo. Eram vizinhos de porta — o bar e o teatro —, e a intimidade entre eles era tão grande que havia uma passagem que os ligava. Isso significa que o público, ao sair do espetáculo, nem sequer precisava pisar a calçada. Ia direto aos drinques…

Continua após a publicidade

Não existia nenhum tapete vermelho para desfilar, mas não tínhamos como esquecer presenças com as quais cruzávamos no pequeno espaço do Nick Bar. Assim, de memória, e sem esforço, cito os nomes de Édith Piaf, Sammy Davis Jr., Nat King Cole, Marlene Dietrich, do pianista Friedrich Gulda e do ator Jean-Louis Barrault.

E não posso esquecer a quadrinha que alguém escreveu e que muitas vezes foi evocada nas reuniões no Nick Bar. Uma pequena paródia de Meus Oito Anos, do mais carente dos poetas românticos brasileiros, Casimiro de Abreu:

Ai que saudades que eu tenho
Dos bares da minha vida,
Das noites nunca esquecidas,
Que os anos não trazem mais.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.