Imagem Blog

Manoel Carlos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do novelista Manoel Carlos
Continua após publicidade

Antes do café

  Manhã chuvosa, céu branco, vontade de não sair da cama. Por mais que se espreguice, a preguiça está ali, no corpo todo, colada como a própria pele. Sabemos que isso vai passar, mas enquanto não passa há que ser paciente e aceitar o torpor quase invencível. Esse ensaio involuntário que pode ser fatal. Já fui […]

Por Daniela Pessoa Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 25 fev 2017, 17h23 - Publicado em 12 set 2016, 21h02

leo martins

 

Manhã chuvosa, céu branco, vontade de não sair da cama. Por mais que se espreguice, a preguiça está ali, no corpo todo, colada como a própria pele. Sabemos que isso vai passar, mas enquanto não passa há que ser paciente e aceitar o torpor quase invencível. Esse ensaio involuntário que pode ser fatal.

Já fui de saltar da cama assim que abria os olhos. Como também já fui de subir e descer escadas de dois em dois degraus. Mas isso é passado. Se tentar reviver agora essa prova de atletismo, corro o risco de quebrar as duas pernas. Além de oferecer uma cena risível.

Continua após a publicidade

Antes do café, o primeiro café do dia, passo os olhos na correspondência que me foi endereçada: indagações sobre novelas, dramaturgia, elencos. Querem uma receita, como de um bolo. Por que não? Afinal, criar personagens, entrecruzá-las nas histórias inventadas, alisando a seda do passado, a maciez dos dias em que fomos felizes, mas não jogando no lixo e no esquecimento os momentos ásperos que vivemos, pois tudo vale a pena. Isso mesmo! A senha é esta: pensar e agir sabendo que tudo vale a pena. Que tudo pode ser usado. A vida está aí se oferecendo. Que cada um pegue uma fatia e se lambuze. Mas não se esqueça: é preciso amar o passado para poder reinventá-lo como ficção todos os dias. E sem trauma, acrescente-se. Desde a criação das personagens, o nome que damos a cada uma, o som de sua voz, o ruído. É como eu tento fazer nas crônicas nesta Vejinha e nas cenas das minhas novelas.

Nunca consegui concordar com pessoas que dizem que é melhor esquecer os momentos difíceis. Não, claro que não. Tudo nos pertence. Quero beber a taça até a última gota!

Esfregue-se no que viveu. E de vez em quando vire o conteúdo de uma velha gaveta no chão. E inicie a pilhagem em parte do seu passado: versos, fotos, guardanapos de papel, rolhas de garrafas de champanhe, e chaves (de onde será esta? E por que a guardei?). Certamente porque contava voltar a usá-la, voltar a abrir essa misteriosa porta que deve abrigar um velho segredo. Um amor que se foi para sempre? Quem sabe? Mas pode-se esquecer de algum amor vivido?

Continua após a publicidade

Façam isso, enquanto esperam o primeiro café num dia que parece ser igual aos outros, mas que não é. Não é porque você vai passar as próximas horas ou dias inteiros — ou tudo o que ainda lhe resta de vida a ser vivida — procurando lembrar onde está a fechadura em que se encaixe a chave encontrada.

Vamos, coragem, vire a gaveta no chão e deixe que se espalhe tudo o que ali está há tanto tempo sem receber a visita dos seus olhos. Com esse gesto de pirataria, pode-se descobrir mais do que fomos, do que somos, mais do que poderíamos contar num confessionário ou diante de um psicanalista.

Tudo isso antes do café.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.