Imagem Blog

Juju na Trip

Por Blog
Uma família de cariocas vivendo o que há de melhor na vida, e compartilhando todas as dicas por aqui. Acompanhem!
Continua após publicidade

Parece Amazônia, mas é aqui no Mamanguá

Fomos remar pelo mangue até uma cachoeira. E descobrimos um paraíso escondido

Por Blog Juju na Trip Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 1 mar 2021, 11h43 - Publicado em 24 fev 2021, 20h50

“Javyju”, nosso guia Chico diz ao menino na canoa. Não sei dizer bem a idade do rapazinho, talvez uns 8 anos, remando sozinho um barco de alumínio três vezes o tamanho do nosso caiaque. Ele passa a gente com sobra, e some no rio que serpenteia pelo manguezal.

 

Pergunto ao guia Chico o que ele disse ao garoto; Bom dia, me responde. O menino faz parte de uma família de índios guaranis que mora ali. São uns dez, e as únicas pessoas nos quase 7km de mangue super preservado, dentro da Reserva Ecológica Estadual da Juatinga. E nem debaixo, ou do alto, se vê a mão deles, nem sequer uma clareirinha na mata. Índio se mistura com a natureza, e ajuda a preservar.

O Saco do Mamanguá: um gigante da natureza, silencioso e potente
O Saco do Mamanguá: um gigante da natureza, silencioso e potente (/ Pedro Serra/Veja Rio)

O Saco do Mamanguá já um gigante da natureza. Um braço de mar que rasga as montanhas cobertas de floresta, em uma área protegida por duas unidades de conservação. Aqui, só o barco chega, escunas são proibidas, os hoteis são apenas dois – e com menos de meia dúzia de cabanas cada – as vilas são caiçaras, o 3g não pega. Nós estamos na ponta do Saco, no extremo disso tudo.

Chegar nesse paraíso, porém, não é uma aventura radical. Fomos de barco até o final do Saco, onde fica o restaurante do Dadico, um pescador que traz o peixe do mar e serve nas mesas de um deque de palafita construído sobre as águas, com a vista da Serra do Mar. Lá, pegamos nossos caiaques, rumo ao mangue.

O restaurante do Dadico: lugar bom para comer, beber e descansar
O restaurante do Dadico: lugar bom para comer, e ponto de partida da nossa remada (Juju na Trip/Veja Rio)

É um desbunde. De um lado e de outro, vamos passando por pequenas praias desertas, algumas do tamanho de dez passos. O som do vento, de um pássaro aqui e outro ali, e dos remos passando na água tocam a única sinfonia por lá. A gente vai sem pressa assim, por uns dez minutos, até adentrar no mangue. O tal onde fomos ultrapassados pelo menino guarani.

Continua após a publicidade

Continuamos remando por mais 1,5 km de rio navegável, fazendo curvas. Lá no meio do rio, eu imagino que lugar seria aquilo. Penso em algo semelhante aos afluentes da Amazônia, imagem que confirmo com as imagens do drone. E o que começa mangue depois dá lugar a uma vegetação mais densa, com árvores grossas e palmeiras, até chegarmos numa micro praia de água doce. Deixamos os caiaques, pegamos uma trilha de 10 minutos, e chegamos na cachoeira do Rio Grande.

Durante todo o tempo, nosso único encontro foi com o pequeno índio. E mais ninguém em todo o caminho. E asseguro: é um passeio imperdível. Lindíssimo.

Na volta, claro, almoçamos um peixe fresquíssimo com mandioca e salada no Dadico.

O mangue visto do alto
O mangue visto do alto (Pedro Serra/Veja Rio)

Para fazer o passeio:

Quem nos levou foi a Paraty Tours (R$340 por pessoa). Fomos de barco até o fim do Saco do Mamanguá, e pegamos os caiaques lá

O passeio tem nível fácil, e creio (mas isso é subjetivo) que qualquer pessoa que tenha um pouquinho de preparo consegue fazer. Recomendo muito!

 

Onde se hospedar em Paraty-Mirim e Mamanguá

Eu amo Casa de Vidro (reserve aqui pelo booking ou pelo airbnb), um airbnb lindo na encosta da Paraty-Mirim (15 km depois de Paraty, sentido São Paulo), com um projeto totalmente integrado à natureza. A casa é cercada pelo mar e pela floresta, acomoda até 10 pessoas, tem piscina e um deque no mar.

A piscina da casa, com essa vista hipnotizante de Paraty Mirim
A piscina da casa, com essa vista hipnotizante de Paraty Mirim (Juju na Trip/Veja Rio)

Para terem ideia do mar na frente da casa, vejam esses vídeos.

View this post on Instagram

A post shared by Julia Temer (@jujunatripblog)

View this post on Instagram

A post shared by Julia Temer (@jujunatripblog)

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.