Imagem Blog

Gilberto Ururahy

Por Gilberto Ururahy, médico
Especialista em medicina preventiva
Continua após publicidade

OMS alerta: 1 bilhão de pessoas do mundo são obesas

A obesidade se torna problema de saúde pública mundial

Por Gilberto Ururahy
10 abr 2024, 16h10

Um novo estudo conduzido com apoio da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostra que mais de 1 bilhão de pessoas convivem com obesidade ao redor do planeta. Divulgada pela revista científica The Lancet, a pesquisa da NCD Risk Factor Collaboration (NCD-RisC) avalia peso e altura de mais de 220 milhões de pessoas, a partir de 5 anos, em mais de 190 países.

Mais de 1.500 pesquisadores contribuíram para o levantamento, que analisou o índice de massa corporal (IMC) para entender como a obesidade e o baixo peso mudaram em todo o mundo de 1990 a 2022. O trabalho aponta que, na população adulta, a taxa de obesidade mais do que dobrou entre mulheres e quase triplicou entre os homens nesse período. No total, 879 milhões de adultos podiam ser considerados obesos em 2022 – salto de 350% em comparação com 1990.

Ao focar em crianças e adolescentes, os dados também são alarmantes. De 1990 a 2022, os índices de obesidade cresceram quatro vezes nessa parcela da população. Em 2022, 159 milhões de crianças e adolescentes eram obesos – 303% a mais do que em 1990.

A obesidade é considerada uma doença crônica e um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. De acordo com a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, esse quadro reduz a qualidade de vida do indivíduo, além de predispor a uma série de outras doenças, como problemas cardiovasculares, diabete, asma, gordura no fígado e até alguns tipos de câncer. 

“A obesidade é a base inflamatória, oxidativa, que leva a uma série de alterações metabólicas e contribui para o desenvolvimento das doenças que mais matam a população brasileira e mundial, que são as cardiovasculares e o câncer”, afirmou Nágila Raquel Teixeira Damasceno, professora associada do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) no Summit Saúde 2023, evento promovido pelo Estadão.

Continua após a publicidade

Além da obesidade, o estudo também examinou a incidência de baixo peso, revelando um aumento inesperado no número de adultos afetados. Em 1990, eram 45 milhões de mulheres abaixo do peso, um número que passou para 183 milhões em 2022. Quanto aos homens, o salto foi de 48 milhões para 164 milhões no mesmo período. Cabe destacar que, segundo a OMS, tanto a obesidade quanto o baixo peso são encarados como problemas de nutrição, resultando em diversas repercussões negativas.

Em contrapartida, observou-se uma redução mundial de crianças e adolescentes abaixo do peso de 1990 a 2022, indicando avanço nos programas de combate à desnutrição infantil. Entre meninas, as taxas caíram de 10,3% para 8,2% e, entre meninos, foram de 16,7% para 10,8%. 

Em comunicado, Tedros Adhanom, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, afirmou que as metas globais de contenção da obesidade exigem trabalho de governos e comunidades, apoiados por políticas baseadas em evidências da OMS e de agências nacionais de saúde pública. Além disso, pediu uma cooperação do setor privado, responsável pelo impacto que seus produtos causam à saúde.

“Esse novo estudo destaca a importância de prevenir e gerenciar a obesidade desde a primeira infância até a idade adulta, por meio de alimentação, atividade física e cuidados adequados, conforme necessário.” Estudos recentes vêm reunindo evidências de que a atividade física já na adolescência reduz o colesterol na idade adulta – e cumprir atividades mínimas semanais também pode auxiliar a prevenir a demência.

Continua após a publicidade

O novo trabalho confirma o que defendemos reiteradamente: a alimentação é uma das bases de uma vida longeva com saúde. A ela, somam-se a prática de exercícios físicos, noites de sono reparadoras, evitar o tabagismo, gerenciar o estresse e o consumo exagerado de bebidas alcoólicas.

Saúde é prevenção!

Gilberto Ururahy é médico há mais de 40 anos, com longa atuação em Medicina Preventiva. Em 1990, criou a Med Rio Check-up, líder brasileira em check-up médico. É detentor da Medalha da Academia Nacional de Medicina da França e autor de quatro livros: Como se tornar um bom estressado (editora Salamandra), O cérebro emocional (editora Rocco), Emoções e saúde (editora Rocco) e Saúde é Prevenção (editora Rocco), com o médico Galileu Assis, diretor da Med Rio Check-Up.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.