Imagem Blog

Gilberto Ururahy Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Gilberto Ururahy, médico
Especialista em medicina preventiva
Continua após publicidade

Morte por causas evitáveis: números voltam a crescer no Brasil

Sedentarismo, obesidade, diabetes, hipertensão e sono pouco reparador estão entre as principais causas

Por Gilberto Ururahy
15 ago 2023, 19h18

Após dez anos de queda, o número de mortes por causas evitáveis voltou a crescer no Brasil em 2021, especialmente como consequência da Covid-19. A informação foi divulgada recentemente pelo Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS). O crescimento de casos se dá, essencialmente pelo impacto que a pandemia causou nos serviços de saúde, mas não se pode relegar a segundo plano a quantidade de pessoas que cancelaram consultas e exames de rotina por medo de pegar o vírus – até mesmo quando a sua letalidade já estava sob controle.

Algumas causas dos óbitos por razões evitáveis são cânceres colorretais associados à má alimentação; infecções imunopreviníveis, como hepatites, tuberculose e tétano; tumores no colo do útero, resultado da não vacinação contra o HPV, além de outras doenças diretamente relacionadas ao estilo de vida, como sedentarismo, obesidade, diabetes sem controle, doenças cardiovasculares, hipertensão arterial, e sono reparador, por exemplo.

Mais uma vez, destacamos a importância do bom funcionamento das unidades de Atenção Primária à Saúde (APS) da rede pública. Pela sua capilaridade e capacidade de reagir a muitos sintomas iniciais, os postos de saúde do SUS podem ser responsáveis pela prevenção de uma quantidade relevante de causas evitáveis de mortes, não apenas pelo monitoramento e controle de indicadores de diabetes e hipertensão, mas também por sua eficiência em aplicar vacinas e prestar orientação sobre as doenças. Infelizmente, segundo relatório do próprio IEPS, apenas 76% dos brasileiros estão cobertos pelo atendimento da Saúde da Família – segundo os especialistas, o número ideal seria, no mínimo, 50%.

Em nossas unidades da Med Rio Check-Up também identificamos o forte impacto da pandemia na saúde de nossos clientes: o sedentarismo cresceu muito (65% são sedentários), o excesso de peso corporal acompanha a evolução (60% acima do peso), dificuldade para dormir (35%) e aumento do consumo de bebidas alcoólicas (40%). A automedicação com ansiolíticos e hipnóticos (indutores do sono), juntamente com antidepressivos, estão entre os medicamentos mais consumidos. Inevitavelmente, as condições acima fragilizam a imunidade das pessoas.

Continua após a publicidade

Os dados agora divulgados pelo Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS) são fundamentais, pois jogam luz na importância da prevenção. A ciência tem reiteradamente afirmado que a melhor combinação de medidas para um estilo de vida que promove saúde e mantêm distante de doenças crônicas é a realização exames preventivos regulares, alimentação equilibrada, prática de exercícios físicos, noites reparadoras de sono, baixo consumo de bebidas alcoólicas e distância do tabagismo.

Saúde é prevenção!

Gilberto Ururahy é médico há mais de 40 anos, com longa atuação em Medicina Preventiva. Em 1990, criou a Med Rio Check-up, líder brasileira em check-up médico. É detentor da Medalha da Academia Nacional de Medicina da França e autor de quatro livros: Como se tornar um bom estressado (editora Salamandra), O cérebro emocional (editora Rocco), Emoções e saúde (editora Rocco) e Saúde é Prevenção (editora Rocco), com o médico Galileu Assis, diretor da Med Rio Check-Up.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.