Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Fernanda Torres Por Blog Blog da atriz Fernanda Torres

Infelicidade

No Salão do Livro de Paris deste ano, um espectador quis saber das influências literárias de Cristovão Tezza. O escritor respondeu que autores diferentes o inspiraram, em momentos diversos da vida; mas que o verdadeiro impulso do escritor, aquilo que o motivava de fato a escrever, era, sem dúvida, a infelicidade. Ovação Já passava da […]

Por fernanda Atualizado em 25 fev 2017, 17h55 - Publicado em 4 set 2015, 19h35

Ilustracao

No Salão do Livro de Paris deste ano, um espectador quis saber das influências literárias de Cristovão Tezza. O escritor respondeu que autores diferentes o inspiraram, em momentos diversos da vida; mas que o verdadeiro impulso do escritor, aquilo que o motivava de fato a escrever, era, sem dúvida, a infelicidade.

Ovação

Já passava da 1 da madruga quando terminei de assistir ao documentário de Brett Morgen, Montage of a Heck, sobre Kurt Cobain. Desliguei a TV deprimida, com um misto de culpa e veneração.

O poeta, mais do que o escritor, é um infeliz nato; e Cobain, um caso exemplar da tese do Tezza. Hiperativo, tomou Ritalina na infância e enfrentou a humilhação do pai. Desde cedo, padeceu de angústia e dores crônicas no estômago. Um sofrimento tão ligado à própria criação que ele confessa, já adulto, temer curar a dor em detrimento da inspiração.

O divórcio dos pais o transforma num adolescente rejeitado e destrutivo, jogado de casa em casa, que encontra no punk, e nas drogas, expressão e saída para o desamparo. Cobain é um anjo caído, trazido à luz graças ao estupendo Nevermind.

Morgen acerta ao ilustrar a mente ávida, em perpétuo movimento de Cobain, usando o recurso da animação, tanto nos cadernos de desenho e anotações do compositor quanto nas gravações de voz que costumava fazer a sós.

Sim, a solidão é irmã da infelicidade, e o músico as cultiva com igual zelo.

Cobain se sentia pleno nos concertos para milhões, naquilo que Jimmy Page chamou de missa demoníaca, capaz de expurgar a ira dos piores exus. Num show no Brasil, ele caminha até a câmera e, em close, cospe na lente. É sintomático.

Continua após a publicidade

A mudez do ídolo diante da enxurrada de repórteres medíocres diz muito a respeito da sua integridade de artista. “Está tudo na música!”, argumenta o baixista Novoselic, na tentativa de se livrar de mais um microfone em riste.

É em meio à glória e seu cortejo de horrores que surge a Lilith, Courtney Love.

Ao contrário de Cobain, Courtney anseia os holofotes. A entrevista que concede nos dias de hoje comprova a suspeita de que a marginal de outrora era fachada para a loura botocada de agora. Courtney é doida, mas dona de um ego banal.

As cenas íntimas do casal chocam até por terem sido registradas.

Alucinados, os dois dançam seminus pela casa recém-comprada. Cobain fala mal de Axl Rose. Grávida, o mulherão queixudo monta a cavalo no marido magro, numa imagem que faz lembrar O Senhor Puntila e Seu Criado Matti, e ambos improvisam uma canção.

Fenemê desgovernado, ela encarna o papel de mãe, amante e parceira. Não há transcendência em Courtney, sobra vaidade e falta tristeza.

A culpa me bateu nas cenas em que Cobain segura a filha bebê no colo, dormindo em pé, heroinado. A menina sorri desconfiada, já percebendo a barra que a trouxe ao mundo.

Tive vergonha aí, pudor de estar atrás da lente em que ele, um dia, cuspiu.

Gus Van Sant foi fiel ao cantor em Last Days, retratando-o como um animal fugidio, avesso aos vivos. Um bicho isolado, selvagem, depressivo e poético.

Já Courtney… essa bem que podia ter acabado com Axl.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)