Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Fabiane Pereira Por Fabiane Pereira, jornalista

Pororoca Sound: a música que vem do Amapá

Incubadora musical potencializa talentos nortistas

Por Fabiane Pereira Atualizado em 2 jun 2022, 23h50 - Publicado em 2 jun 2022, 23h49

Sabemos que o Brasil é muito “concentrado”. Há concentração de recursos na região Sudeste, de riqueza entre uma minoria branca, de injustiças históricas entre a maioria miscigenada. Descentralização por aqui só artística. Em todo Estado brasileiro, há inúmeros talentos. Artistas das mais variadas áreas, músicos dos mais diversos gêneros.

Nós, os sudestinos, conhecemos pouco a diversidade da cultura nortista. Já sei. Não se pode generalizar. Mas tirando as exceções, nós, os sudestinos, conhecemos pouco a diversidade cultural do norte do país.

Através da plataforma de cultura da marca Natura, a Natura Musical, conheci a Pororoca Sound, uma incubadora de empreendimentos musicais que fomenta, capacita e acelera as carreiras de nove artistas do Estado do Amapá. Os músicos que fazem parte do projeto são Sabrina Zahara, Pretogonista, MC Deeh, Capitão Pupunha, Brenda Zeni, Jhimmy Feiches, Mari Marti, Elysson Pereira e Mayara Braga.

O mercado da música, especialmente o independente, é carente de formação e capacitação. A gente aprende fazendo. Por isso, é para aplaudir de pé uma incubadora musical que proporciona a novos artistas gestão de carreiras, assessoria de imprensa, marketing de rede, condicionamento vocal, consciência corporal e visagismo. Além de suporte para lançar álbuns e clipes.

Para entender melhor esta iniciativa e me inteirar da música produzida hoje no Amapá, conversei com as cantoras Sabrina Zahara e Brenda Zeni. O papo rolou no FARO e a entrevista pode ser ouvida aqui.

Sabrina Zahara é atriz, cantora e compositora. Paulista criada no Amapá, a artista tem mais de 20 anos de carreira e para exaltar a diversidade sonora ancestral da musicalidade amazônica, ela lançou o álbum “Eu não ando só”. Já Brenda Zeni é paraense e durante a infância passava horas “viajando” em frente ao rádio. Ganhou o primeiro violão da mãe com 16 anos e nunca mais parou de compor. O seu álbum mais recente foi batizado de “Goma”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)