Imagem Blog

Fabiane Pereira Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Fabiane Pereira, jornalista
Continua após publicidade

Mona Camargo lança coleção de camisetas com frases inclusivas

Mãe atípica quer sensibilizar a sociedade sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Por Fabiane Pereira Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 4 abr 2023, 09h59 - Publicado em 3 abr 2023, 20h12

Domingo (02/04) foi Dia Mundial de Conscientização do Autismo, uma data que busca sensibilizar a sociedade sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA), que se caracteriza, entre outras manifestações, por dificuldade de interação social e presença de comportamentos repetitivos.

A data, definida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2007, é importante porque muitas pessoas não compreendem o que é o TEA, sendo fundamental a propagação de informação para diminuir a discriminação contra o transtorno.

No Brasil, o apresentador Marcos Mion tornou-se uma importante voz nessa conscientização. Seu primogênito, Romeu, vive com o transtorno e o apresentador utiliza suas redes sociais, seu engajamento e sua credibilidade para propagar informações a respeito do TEA e assim diminuir o isolamento social imposto pelo preconceito.

O TEA apresenta diferentes graus, classificados de leve a severos. Cada pessoa autista é única em suas questões, dificuldades e desafios. Minha grande amiga e empresária Mona Camargo é mãe de uma criança autista. O pequeno Salvador, cinco anos, foi diagnosticado há três. Mona enfatiza que “quando uma criança autista é diagnosticada, nasce uma mãe atípica

Mona viu sua vida se transformar completamente com a maternidade. Além das óbvias transformações comuns a todas as mulheres que se tornam mães, Mona ainda precisou lidar com uma demanda jamais imaginada por ela. “Nada nem ninguém nos prepara para algo parecido. O discurso de mãe guerreira não me ajuda em nada. Quem disse que eu queria ser guerreira?”, conta.

Continua após a publicidade

De acordo com Centro de Controle de Doenças e Prevenção nos EUA, 1 a cada 44 crianças é diagnosticada com o transtorno. É um número extremamente significativo e a sociedade precisa se adaptar a essa realidade.

 

Salvador com camiseta Monami
Salvador com camiseta Monami (assessoria/Divulgação)

Sabendo disso, Mona – como Mion – se tornou uma importante voz de mobilização para a inclusão de crianças e adolescentes com TEA no dia a dia da sociedade. “Quando uma criança com transtorno não é incluída, uma mãe é excluída”, afirma a empresária. “Não se trata de curar a pessoa porque o autismo não tem cura. É sobre curarmos a nós mesmos, sobre aceitarmos esse desafio com outro olhar. E nos livrar de preconceitos. Como mãe, me preocupo com as escolas que ainda não estão minimamente preparadas. Existe uma falsa inclusão que precisa de ser revista. Não é porque a escola aceita a criança que ela se torna inclusiva. É necessário formar educadores, adaptar os conteúdos, combater o bullying, entre outras questões”, completa.

Continua após a publicidade

Para além das instituições de ensino, existe um desafio ainda maior: uma sociedade que julga, evita e esconde o preconceito sobre as diferenças. Sempre acreditei que a melhor maneira de combater qualquer tipo de preconceito seja através da educação. Por isso, quanto mais falarmos sobre determinado assunto, melhor lidaremos com suas questões.

Além de usar suas redes sociais para escrever a respeito e compartilhar suas experiências, Mona, proprietária da marca de roupa infantil, vai lançar em Lisboa (PT), cidade onde mora com Salvador, no próximo dia 15 de abril, uma coleção de camisetas com frases inclusivas. Quem mora no Brasil, poderá comprar pela internet. Esta causa não é só das mães atípicas. Esta causa é de todos nós porque como já nos lembra um ditado africano, “é preciso uma aldeia para criar uma criança”.

+++

Aqui abro um parêntese para indicar o podcast Esquizofrenoias idealizado pela jornalista Amanda Ramalho que foi diagnosticada com autismo aos 36 anos. Nele, Amanda fala sobre saúde mental e vários tipos de transtornos. Já fui entrevistada por ela e dá para ouvir aqui.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.