Imagem Blog

Fabiane Pereira

Por Fabiane Pereira, jornalista
Continua após publicidade

“Andança – Os Encontros e as Memórias de Beth Carvalho”

O documentário chega aos cinemas amanhã (2 de fevereiro) e traz registros inéditos da madrinha do samba

Por Fabiane Pereira Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 jan 2023, 09h13 - Publicado em 31 jan 2023, 09h12

 

Beth Carvalho é uma das mais importantes artistas do país, disso ninguém duvida. A cantora, que ajudou a tirar do anonimato muitos dos maiores sambistas da nossa história, foi criada na zona sul do Rio de Janeiro em uma família de classe média. Apesar de ter começado a cantar influenciada pela Bossa Nova e a tocar violão, ouvindo os acordes de João Gilberto, Elizabeth Santos Leal de Carvalho se consagrou no samba. Fã de Clementina de Jesus e Elizeth Cardoso – cantoras para quem dedicou seu primeiro álbum de samba (“Canto Por um Novo Dia”) – Beth se entregou aos ritmos da periferia e mudou a história do gênero musical mais popular do país.

Cinegrafista amadora, Beth registrava suas gravações, as festas em família, os pagodes que frequentava e todos os sambistas que passavam por seu caminho. Tudo isso deu origem a mais de 2000 horas de registros audiovisuais que foram decupadas pelo diretor Pedro Bronz e roteirizadas por ele com o auxílio luxuoso do jornalista, especializado em samba, Leonardo Bruno.

 

Frame de Andança
Acervo Luana Carvalho (Acervo Luana Carvalho/Divulgação)

Devota de Nelson Cavaquinho, Beth dedicou um álbum inteiro ao compositor (“Nome sagrado – Beth Carvalho canta Nelson Cavaquinho”, lançado em 2001). Além de Nelson, imagens raras do encontro entre Beth e Cartola, autor de dois grandes sucessos na voz da artista, “O mundo é um moinho” e “As rosas não falam”.

A relação de Beth com o Cacique de Ramos também é bastante presente no longa. Imagens descontraídas ao lado de Almir Guineto, Jorge Aragão, Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Luiz Carlos da Vila, entre outros tantos nomes de diferentes gerações que tiveram suas composições registradas, estudadas e gravadas na voz da cantora. Beth soube usar seus privilégios para dar espaço a artistas que, talvez, jamais conhecêssemos se não fosse seu faro garimpeiro.

Continua após a publicidade

O nome do documentário homenageia uma das canções mais conhecidas da história da música popular brasileira, Andança. Composta em 1968 por três jovens músicos, Edmundo Souto, Danilo Caymmi e Paulinho Tapajós, Andança ficou em terceiro lugar no Festival Internacional da Canção – ficando atrás de Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores, de Vandré, e de Sabiá, de Chico Buarque – e levou o de Beth Carvalho, então com 19 anos, aos holofotes.

Ao longo de seus mais de 50 anos de carreira, Beth nos presenteou com incontáveis sucessos, eternizados por sua voz inconfundível. Tudo isso está presente no longa que estreia amanhã, dia 2 de fevereiro, nas principais salas de cinema do Rio e de São Paulo.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.