Imagem Blog

Esquinas do Esporte

Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio
Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania
Continua após publicidade

O difícil e necessário amadurecimento da arquibancada

Atletas, gestores, investidores, torcedores precisam abraçar a responsabilidade coletiva de abolir a naturalização de discriminações e violências crônicas

Por Alexandre_Carauta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 10 fev 2022, 13h19 - Publicado em 10 fev 2022, 11h18

Arquibancada é carnaval. Soltamos o gogó, a alma, as máscaras. Transbordamos excitações represadas por diques sociais e psicológicos. Guerreamos sem guerra. Um “processo civilizador” orquestrado pelo esporte moderno, observam os sociólogos Norbert Elias e Eric Dunning.

Como nos ritos carnavalescos, a arquibancada sacode convenções, hierarquias, papéis. Uma fresta para sopros primais e poeiras do inconsciente. Por ela também passam discriminações congênitas. Barrá-las revela-se tão difícil quanto necessário.

O primeiro passo é não confundir a essência carnavalesca da arquibancada – aquarela mimética do país – com uma concessão a ofensas como o suposto grito racista dirigido a Gabriel no Fla-Flu.
(Só a perícia pode confirmar.)

Polemizado nas redes, o episódio não confisca o mérito da vitória tricolor. Tampouco sabota as resenhas sobre a partida, sobre a gangorra de heróis e vilões, o duelo tático. Nem por isso o xingamento dispensa uma abordagem eloquente, compatível à perversidade criminosa do racismo.

Continua após a publicidade

Descontados fundamentalismos e precipitações, reconhecer a gravidade de casos assim espana o pó da condescendência. Confronta blindagens adensadas por nossa gênese sociocultural – escravocrata, patriarcal, patrimonialista. Traços que se dissimulam no mito da cordialidade, e naturalizam preconceitos, dominações, agressões.

O futebol reproduz alguns desses traços. Replica, por exemplo, um machismo crônico. Jogo “de homem”, “pra homem”, repetem pais, técnicos, atletas, torcedores. Nada de choro, de cai-cai, de frescura. Desvios da masculinidade hegemônica.

A cartilha sistematiza ataques contra homossexuais, mulheres – inclusive profissionais da área – e jogadores fora do código dominante. Não à toa as quedas de Neymar na Copa da Rússia despertaram um tsunami de reprovações e memes debochados.

Continua após a publicidade

As críticas expressavam decepção além da esportiva. Os tombos do craque haviam transgredido o padrão masculino que o futebol ajuda a sedimentar, e que municia zoações entre torcedores no bar, na praia, no escritório, no estádio.

Alternadas com naturalidade, chacotas homofóbicas dificilmente são percebidas como insulto, muito menos crime, no universo boleiro. Liturgias futebolísticas historicamente as avalizam.

Chancela equivalente recebem outras expressões discriminatórias, como se cultura do futebol e o carnaval da arquibancada as anistiasse. Precisamos desfazer a confusão.

Continua após a publicidade

Mesmo envernizadas de jocosidade, ofensas racistas, homofóbicas, machistas, xenófobas, religiosas são inadmissíveis, injustificáveis, em quaisquer ambientes e circunstâncias. Constituem atitudes criminosas assinaladas nos arcabouços legais de todos os países democráticos.

Paixões, emoções, compulsões esportivas não as absolvem. Atletas, treinadores, dirigentes, investidores, torcedores não deveriam mais relevá-las. Pelo contrário, haveriam de reforçar o combate às discriminações estruturais.

O amadurecimento da arquibancada integra esses esforços, aos quais se somam agentes jurídicos, como o Ministério Público e os tribunais setorizados; administrativos, como gestores de federações, clubes, estádios, arenas; e econômicos, como consumidores e patrocinadores cada vez mais ligados a compromissos socioambientais.

Continua após a publicidade

Os avanços dependem de um inegociável rigor de fiscalização, investigação, punição. Exigem penalidades esportivas e financeiras mais severas do que suspensões e multas paliativas. Não menos importante, sabemos, é o investimento em educação.

Essa responsabilidade coletiva não engessa a arquibancada. Não esfria seu pulso dionisíaco, sua irreverência, seus rituais indispensáveis à formação e à alegria do torcedor.

Sem desidratar tais ingredientes, a responsabilidade estanca a naturalização de injúrias supremacistas. Muitas se refugiam numa aparência despretensiosa, mas acabam em barbáries como a execução de Moïse Kabagambe e de outros tantos invisíveis, tantos descartáveis condenados pela indústria da exclusão.

Continua após a publicidade

O linchamento emite sinais idênticos ao do boicote às vacinas. Indica uma banalização da vida, uma profunda crise moral, uma epidemia de indiferença inoculada na superexposição contemporânea. Derivam da complacência e da omissão com preconceitos e desigualdades.

O meio esportivo tem o dever de enfrentá-las. De descartar as pílulas vermelhas e o conforto de realidades paralelas. De congregar diferenças, para virar o jogo.

____

Alexandre Carauta é doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva.

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.