Imagem Blog

Esquinas do Esporte

Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio
Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania
Continua após publicidade

Superpoderes do mercado movimentam balança moral

Demissão no vôlei retrata calibragem da gestão de imagem corporativa aos termômetros digitais e às dinâmicas socioculturais

Por Alexandre_Carauta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 2 nov 2021, 01h25 - Publicado em 1 nov 2021, 14h12

A demissão de Maurício Souza desperta burburinho superior à reunião de líderes sobre os ultimatos planetários. O caso acumula outros contornos emblemáticos.

Da origem aos desdobramentos, expõe dilemas, prioridades, pendores. Fervido no maniqueísmo automático das redes, o episódio também mostra o peso da gestão de imagens corporativas na balança moral.

Campeão olímpico no Rio, Maurício perdeu o emprego duas semanas depois de uma postagem de verniz homofóbico. Ironizou a linhagem bissexual do Super-Homem.

Atentos ao repúdio na internet, os patrocinadores cobraram do Minas Tênis Clube mais que a suspensão, a multa e a desculpa protocolar acordadas inicialmente. A pressão tornaria o contrato insustentável.

O técnico Renan Dal Zotto pegou o bonde. Prometeu aposentar da seleção de vôlei o central titular nos Jogos de Tóquio.

Continua após a publicidade

Uma parcela da sociedade considera as punições excessivas, injustas: patrulhas ideológicas, manobras de uma ditatura do politicamente correto ecoada nos tribunais online. Obra da “turma da lacração”, resumiu Maurício. A corrente solidária triplicou a quantidade de seguidores digitais do jogador.

Para outros tantos, os castigos são exemplares. Alinham-se a leis e espíritos menos tolerantes a manifestações discriminatórias – explícitas, dissimuladas, densas, prosaicas.

Desde 2019, comportamentos homofóbicos equivalem-se ao crime inafiançável de racismo (Lei 7716/1989), sujeito a cinco anos de prisão. Mas continua difícil admiti-los em cotidianos ensopados de preconceitos estruturais.

O avanço é insuficiente para erradicar discriminações naturalizadas sob a nossa gênese sociocultural. Muitos sequer as reconhecem, em parte por confundi-las com expressões do pensamento conversador.

Continua após a publicidade

Mesmo consagrada no mundo democrático como um direito inalienável, a liberdade de orientação sexual e identidade de gênero sofre sistemáticas violências materiais e imateriais. Variam do deboche às agressões físicas. Culminam na média de uma morte por dia, segundo levantamento do Grupo Gay da Bahia (GGB).

O esporte contribui duplamente para diminuí-las. Pela difusão de princípios como congraçamento, civilidade, respeito às diferenças, essenciais aos investimentos. Pelo rechaço de patrocinadores a condutas discriminatórias, ameaças às reputações no mercado.

A tática ajusta-se ao frigir da internet e às dinâmicas morais. Amplificadores online reduzem a margem a conexões com valores negativos. Filmes queimam mais rapidamente. Não à toa multinacionais ameaçaram deixar a Fifa se o saneamento prometido tardasse, depois do escândalo de corrupção em 2015.

Panos quentes curvam-se ao crescente zelo com as imagens organizacionais, calibradas ao termômetro das redes e suas vestais instantâneas. Da indústria automotiva ao agronegócio, marcas procuram ser identificadas ao lado da responsabilidade socioambiental e da governança (ESG, na sigla em inglês).

Continua após a publicidade

Diante das guilhotinas digitais, empresas afugentam riscos ao capital simbólico estrategicamente cultivado. Associações a intolerâncias viram criptonita: definham a vitalidade comercial.

Por tabela, esse pragmatismo de consumo joga a favor da pluralidade, da empatia. Mas a virada só vem com a educação. Nela voa a esperança de dias harmônicos, inclinados à redução de desigualdades, injustiças, violências, abraçados ao que verdadeiramente importa.

—————————

O valor da simplicidade

Continua após a publicidade

Um lance periférico no futebol de areia ilustra o fôlego transformador da educação. Dez segundos pedagógicos.

Lokomotiv e Braga decidiam, mês passado, o Mundialito. Jogo duríssimo. Valia o tricampeonato e a hegemonia da modalidade.

Corria o segundo tempo quando o braço de um jogador resvalou no olho do adversário. Ele interrompeu imediatamente a disputa para se certificar de que o colega estava bem. Cumprimentaram-se, e o duelo prosseguiu. O time russo levaria a melhor: 6 a 4.

Não se viu qualquer esboço de converter o singelo incidente em vantagem. Nem o marcador tentou roubar a bola do atingido, nem o oponente simulou o exagero de uma agressão. Inspirador.

Continua após a publicidade

Honestidade e cortesia dispensaram o juiz, o VAR, a polêmica. A partida fluiu. Simples assim, como tem de ser. Todos ganharam: os colegas em quadra, o público, os patrocinadores.

Alguns chamam de fair play. Não passa da velha e boa educação.

___________

Alexandre Carauta é doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva, também formado em Educação Física.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.