Imagem Blog

Esquinas do Esporte

Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio
Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania
Continua após publicidade

Recados e troféus do Fla-Flu de enlouquecer a cabeça

Acima das canonizações e crucificações automáticas, prevalece a leveza do toque de bola simbolizada na cambalhota do técnico tricolor

Por Alexandre_Carauta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 14 abr 2023, 07h17 - Publicado em 14 abr 2023, 00h30

Todo Fla-Flu decisivo para no ar igual Dadá. Levita sobre a taquicardia dos celulares, do trânsito, do calendário. Desafoga o atropelo dos campeonatos emendados. Um beija-flor no meio da vertigem.

Não, o Fla-Flu não acolhe a transitoriedade dos nossos dias. Nascido a 40 minutos do nada, como decretou Nelson Rodrigues, cultiva um tempo próprio, imune ao imediato. O tempo das pequenas eternidades.

Exatamente por isso, o Fla-Flu lega mensagens menos efêmeras do que a procissão vitoriosa e o purgatório escalado pelas almas derrotadas. Recados acima das crucificações e canonizações automáticas.

Um Fla-Flu assim impõe as belezas sobre os martírios. Lembra a importância de enxergarmos além das palmas e condenações que borbulham a espuma dos resultados. A sabedoria de identificarmos, nas palavras de Fernando Diniz, os verdadeiros troféus.

Troféus como o equilíbrio para compreender a pedagogia das derrotas, e controlar impulsos maniqueístas que condicionam destinos esportivos a encarnações do bem e do mal. Nem oito, nem oitenta.

Sem subestimar a responsabilidade de Vítor Manuel Pereira nos insucessos do elenco poderoso, sem desconsiderar a perda de identidade e competitividade, tampouco a enigmática barração de Éverton Ribeiro, seria ilusório isolar o treinador no banco dos réus.
Há mais cartas pesadas na mesa.

Continua após a publicidade

Outros fatores – internos e externos – gravitam em torno dos fiascos rubro-negros, sistematicamente tratados com repulsa megalômana. Envolvem de vacilos gerenciais a retrocessos de atletas estelares.

Beiraria a injustiça, ou a ingenuidade, menosprezar o protagonismo tricolor nessa balança. Mesmo que o Fla revivesse os melhores dias de Jesus ou Dorival, encontraria um Flu à altura. Não porque tem levado vantagem nos duelos recentes. Não só porque tem André, Arias, Ganso, Cano, Marcelo. Mas porque vem comendo a bola.

A conquista de domingo premia a beleza, a leveza. Reverencia o toque envolvente, descomplicado, delicioso para quem vê e quem joga, gravado nas taças e no imaginário do futebol brasileiro. Não garante títulos, e sim gostosura.

Extasiados com a virada sobre o rival, tricolores comemoram, antes de tudo, o encontro com um jeito moleque de jogar bola. Um jeito simples e elegante, divertido como o bobinho no recreio, algumas vezes próximo do encanto. Jeito de infância.

Esse jeito enlouquece a galera, canta a arquibancada. Eis o maior troféu do campeão estadual. Tão indelével quanto o regaço da família ou uma cambalhota no gramado do Maraca. Talvez nada simbolize melhor o insinuante Flu de Diniz quanto aquela doce cambalhota.

Continua após a publicidade

_________

Continua após a publicidade

Corridão na Quinta

Já a galera da corrida se reúne, sábado agora (15), na Quinta, num treinão de cinco quilômetros organizado pela ASICS. Os participantes largam às sete da matina rumo aos jardins da ex-residência imperial.

Batizada de Pegadas de Nimbus, a iniciativa integra a campanha de um novo tênis da marca. Depois do Rio, seguirá para Fortaleza (29/4) e Brasília (6/5).

_________

Alexandre Carauta é professor da PUC-Rio, doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva, formado também em Educação Física. Organizador do livro “Comunicação estratégica no esporte”.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.