Imagem Blog

Esquinas do Esporte

Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio
Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania
Continua após publicidade

Para o bem e para o mal, futebol enfeitiça estatísticas

Copa do Catar lembra que ineditismos e números prodigiosos não garantem triunfos históricos, muito menos a consagração na memória coletiva

Por Alexandre_Carauta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 12 dez 2022, 12h55 - Publicado em 12 dez 2022, 10h12

O futebol desperta resenhas com o terno dos números, adornadas de cifras, linha alta, linha baixa; e resenhas brejeiras, despidas de estatísticas, com os pés descalços da sabedoria popular. Uma alimenta a outra. Ora se irmanam, ora se distanciam igual dimensões paralelas.

A primeira concentra-se na matemática dos rendimentos, recordes, esquemas. Mesas-redondas os radiografam como se concorressem ao Nobel de física.

Sob o farol das cifras, o prodígio Mbappé pode ser aproximado à largada de Pelé. Cifras não capturam, porém, a mágica do rei sobre o goleiro uruguaio Mazurkiewicz em 70.

Nem um milhão de replays evitariam a surpresa cada vez que se revê o drible desconcertante. Reverencia o pacto com o imponderável.

Para espanar o pó do esquecimento, uma grande jogada, uma grande vitória, um grande time precisam extrapolar os números. Devem beijar o insondável, beirar a beleza inalcançável e imprecisa das estrelas.

Continua após a publicidade

Por isso a finta de Pelé é mais recordada, mais cultuada, do que os gols maravilhosos do tri. É eternamente lembrada porque ilude o previsível, ultrapassa a borda do cálculo, nos conecta com o transcendente.

Por outro lado, a matemática cumpre papel didático no mundo das chuteiras. Desvenda táticas, desempenhos. Calibra a balança que distribui atletas, equipes, competições em prateleiras dominadas por interesses midiáticos e econômicos.

Tal hierarquia conduz desde provocações entre torcedores até decisões esportivas, comerciais, políticas. Distingue o regular do ótimo, o ótimo do excepcional, o excepcional do antológico, o antológico do épico.

Ainda assim, números marcantes não asseguram o olimpo da memória e do afeto. Lavrada nos botecos, essa consagração corteja o inexato.

Continua após a publicidade

O inexato nos deu Garrinha. Seu empeno anatômico o desenganava ao esporte, à vida. Para nossa sorte, o prognóstico científico sucumbiu às asas das pernas tortas. Ziguezagueavam ligeiras que nem gaivotas.

Os dribles e arremates decisivos de Garrincha caminham vivíssimos graças não só aos troféus mundiais. Imortalizam-se por debocharem do esperado, do calculável, do destino. Por reproduzirem gloriosamente a fantasia do pique, o gosto de infância.

O sorriso matreiro dos gramados passeia no Catar. Testa previsões, convicções, desafia músculos estatísticos. Vários atrofiam com velocidade pedagógica. É o caso do aproveitamento de 80% ostentado pelo Brasil de Tite. Revelou-se insuficiente ao reencontro com o caneco e com uma campanha empolgante.

Igualmente efêmera mostrou-se a aura histórica em torno da barração de Cristiano Ronaldo e da estreia arrebatadora do substituto Gonçalo Ramos, três gols (hat trick) nos 6 a 1 sobre a Suíça. Acabou pulverizada pela desclassificação portuguesa para os marroquinos.

Continua após a publicidade

Primeiro africano na semi, Marrocos sequestrou o confete histórico. Só o título o estenderia além do reconhecimento enciclopédico.

O Brasil 2022 tende também a se desbotar. Não por ter adiado o hexa, e sim pela falta de algo capaz de resistir à decantação temporal.

A queda logo se apagará, como o golaço de Neymar evaporou ao frigir do empate e do castigo nos pênaltis. Pouco se falará sobre esse enredo depois das análises condicionadas à espuma da decepção.

Bem diferente da tarde fatídica no estádio Sarriá, lá se vão 40 anos. O hat trick de Paolo Rossi gruda na lembrança até dos que não eram nascidos. Os italianos não aniquilarem apenas a certeza do tetra. Afrontaram a soberania artística verde-amarela, expressa na orquestra formada Zico, Falcão, Sócrates, Júnior. Imperdoável.

Continua após a publicidade

O acidente de percurso retirou o timaço da Copa na Espanha, não do imaginário. Aquela escalação vem fácil. Exclusividade dos escretes encantadores, não necessariamente campeões.

A seleção de 82 ilustra, acima de quaisquer números, os cursos nem sempre coincidentes do inédito, do vitorioso, do histórico, do memorável. Torçamos para que confluam a nosso favor em 2026.

_____________________

Resta-nos Drummond

Continua após a publicidade

Nenhum exercício analítico ou discursivo explica a passividade diante da ciranda croata, tampouco o tapete vermelho para o contra-ataque a quatro minutos da semifinal. Mole inacreditável. Resta-nos botar fé nos talentos emergentes, e relembrar o conforto de Drummond na crônica “Perder, ganhar, viver”, publicada pelo Jornal do Brasil em meio às lágrimas de 1982:

“Não somos invencíveis. Também não somos uns pobres diabos que jamais atingirão a grandeza, este valor tão relativo com tendência a evaporar-se. (…) A Copa do Mundo acabou para nós, mas o mundo não acabou. Nem o Brasil, com suas dores e bens. E há um lindo sol lá fora, o sol de todos nós.”

___________

Alexandre Carauta é doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva, formado também em Educação Física. Organizador do livro “Comunicação estratégica no esporte”.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.