Imagem Blog

Esquinas do Esporte

Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio
Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania
Continua após publicidade

O destemor feminino e a urgência de estancar as discriminações

Protesto de iranianas deveria inspirar a efetivação de punições esportivas, financeiras e penais aos corresponsáveis por ataques preconceituosos em estádios

Por Alexandre_Carauta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 1 out 2022, 18h08 - Publicado em 1 out 2022, 08h45

A corajosa repulsa de iranianas à morte de Mahsa Amini enverga eloquência simbólica e histórica. Aos 22 anos, a jovem sucumbira às agressões no cárcere imposto pelo uso inadequado do véu islâmico.

A tragédia desencadeou queimas do acessório em mais de 50 cidades. Viralizado nas redes, o recado extrapola as fronteiras do Irã e o cadeirão geopolítico do Oriente Médio.

Eco da repressão perpetrada por fundamentalismos seculares, o protesto aviva o combate a discriminações e truculências estruturais. Integra-se aos esforços contra a violação de direitos humanos, a colonização de corpos e mentes, a institucionalização de violências materiais e imateriais.

Organizações como Human Rights Watch e Anistia Internacional sistematicamente denunciam abusos assim no Catar. Não impediram que o pragmatismo econômico e político levasse para lá o confeito da Copa sob medida.

Continua após a publicidade

A jogada cosmética prosperou em meio à complacência de atletas, técnicos, gestores. Conivência semelhante desfrutam preconceitos manifestados em estádios e ambientes afins. Surfam a onda extremista.

Somam-se ao grupo as humilhações xenófobas e racistas sofridas pelo atacante Vini Jr. na Espanha e a banana arremessada depois do segundo gol do Brasil nos 5 a 1 sobre a Tunísia, terça passada, em Paris. Jamais será só (mais) uma banana.

As ofensas receberam das autoridades nada além de repreendas protocolares. Merecem o inadmissível. Há muito o mercado conforma-se em adiá-lo.

Continua após a publicidade

Não é mais aceitável a condescendência com os ataques, como se não passassem de pulsações folclóricas da arquibancada. Tratamentos paliativos revelam-se insuficientes para estancá-los. Precisamos seguir o paradoxo de Popper: intolerantes com o intolerável.

A mudança exige punições penais, financeiras, esportivas a torcedores, clubes e demais corresponsáveis. Dificilmente virá sem a pressão de patrocinadores e jogadores alojados na cobertura dessa indústria.

Eis uma bela oportunidade para materializar compromisso social da cartilha ESG apregoada por organizações públicas e privadas. O destemor das mulheres iranianas é um banho de inspiração.

Continua após a publicidade

_______

Grito da galera

Por falar em oportunidade, os recordes de público nas finais do Brasileiro derrubam desconfianças sobre o cacife comercial do nosso futebol feminino. Seu aproveitamento impõe a progressiva qualificação de equipes e campeonatos, especialmente como produtos de mídia(s). Avanço para o qual seguem imprescindíveis a participação mais efetiva dos principais clubes e o amadurecimento político-administrativo sob a regência da governança e do marketing.

Continua após a publicidade

A pedra está cantada pelos 36 mil e 41 mil espectadores que acompanharam, nas capitais gaúcha e paulista, respectivamente, os duelos entre coloradas e corinthianas culminados no tetra do Timão. Fora o amor aos pavilhões, seus gritos ressoam o esboço de um horizonte melhor às garotas boas de bola.

_______

Desafio à prancheta

Continua após a publicidade

As pestanas de Tite não queimam pela derradeira vaga na lista do Mundial, entre Firmino, Matheus Cunha e Pedro, dono da melhor fase. Não faltam ao treinador ótimos atacantes.

Difícil é tirar da cartola um esquema capaz de conciliar Casemiro, Fred, Paquetá, Neymar, Raphinha, Richarlison e Vini Jr. Envernizaria o equilíbrio entre eficiência defensiva e impetuosidade ofensiva inerente aos grandes campeões. Esbarra na matemática da prancheta.

Um dos personagens da temporada brasileira, o inventivo Fernando Diniz provavelmente tentaria uma solução heterodoxa. Talvez deslocasse Paquetá para a lateral. Funcionou muito bem com Caio Henrique, destaque na primeira passagem do técnico pelo Flu.

A alternativa imaginária carrega a despretensão dos pitacos pré-Copa. Mas, com algum treino, poderia virar variação tática de um time consistente, versátil, bem arquitetado. Combinação que embala o sonho do hexa.

A seleção ficaria ainda mais forte se, ao lado dos talentosos pontas e volantes, tivesse um ou dois maestros. Nem adianta o Zé da Galera pedir. Andam em falta.

___

Alexandre Carauta é doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva, também formado em Educação Física.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.