Imagem Blog

Esquinas do Esporte

Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio
Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania
Continua após publicidade

Um carnaval de luzes para inspirar tempos mais coloridos

Imagem derradeira do Maraca no ano, os milhares de feixes irmanados pelos celulares emitem um convite ao senso comunitário e à diversidade

Por Alexandre_Carauta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 13 dez 2021, 12h45 - Publicado em 11 dez 2021, 19h00

As luzes do Maracanã redimiram o ano torto. Torto não igual Garrincha, poético desconcerto, a vertigem da arte nos pés. Torto porque distorcido pelas desumanidades acentuadas com a pandemia.

Em meio a pesadelos, haveríamos de reencontrar as luzes do Maraca. Não resplandecem as bandeiras de outrora, varais da teatralidade legada por Mario Filho ao carnaval das torcidas. Agora a apoteose visual cintila nos celulares a tiracolo.

O futebol extrai do ano torno essa derradeira imagem, redentora. As milhares de luzes miúdas estampavam, quinta passada, mais do que o sorriso tricolor diante da passagem à Libertadores. Extrapolavam o tributo à façanha do time irregular.

Os feixes também irmanavam o desafogo com o vírus, a inflação, os desalinhos políticos. Tudo momentaneamente engolido no cordel de claridades. Proeza comparável só ao torpor do gol.

Continua após a publicidade

O colar de brilhos iluminava o estar-junto. Convite ao entendimento, ao senso comunitário. Não é pouco num ano torto.

Sob a regência do verde e do vermelho, a variação cromática ampliava o fervor simbólico. Uma aquarela de diversidade. Fosse um conto de Natal, os jogadores teriam largado a bola e se juntado à celebração, como num filme do Capra, todos beijados por um anjo.

O espetáculo se dissipa nas redes e na temporada de especulações sobre quem chega, quem parte, alegria das resenhas. Nem por isso as luzes do Maraca deixam de perenizar uma inspiração a tempos solidários, transigentes, leves, menos permeáveis à indiferença.

Continua após a publicidade

Tempos nos quais a indústria esportiva – atletas, investidores, consumidores – contribua mais à valorização da pluralidade, à redução da desigualdade, à promoção da saúde. Nenhuma outra pauta revela-se tão importante quanto esses desafios. Nem o reciclado debate sobre clube-empresa, nem as emergentes oportunidades de NFT.

A revisão de prioridades é o segundo passo para aproximar o mercado esportivo da realidade na qual 20 milhões passam fome e 120 milhões mal fazem uma refeição por dia. Realidade em que a prática de esportes, efetivada como política pública, com o apoio da iniciativa privada, reduziria significativamente as internações hospitalares.

O primeiro passo é o amadurecimento cívico. A consciência do bem-comum, para o qual devemos confluir  diferenças, liberdades, responsabilidades. Assim clamam despretensiosamente as luzes irmanadas no Maraca.

Continua após a publicidade

Mané e os craques da crônica

Eternizado em prosas, versos, fotos, Garrincha pulsa na camisa com listras tortas incorporada em outubro ao Museu do Maracanã. A homenagem do Botafogo evoca o drible da assimetria corporal sobre a lógica, os tratados biométricos, o ponderável.

Sem a pretensão de equacionar tamanha singularidade, Paulo Mendes Campos é certeiro:

Continua após a publicidade

“Como um compositor seguindo a melodia que lhe cai do céu, como um bailarino atrelado ao ritmo, Garrincha joga futebol por pura inspiração, por magia, sem sofrimentos, sem reservas, sem planos. (…) Garrincha é como Rimbaud: gênio em estado nascente”.

A descrição está no texto “Mané Garrincha”. Integra a recém-lançada coletânea “Os sabiás da crônica” (Autêntica). Organizada por Augusto Massi, a antologia reúne mais cinco craques do gênero: Rubem Braga, Vinicius de Moraes, Fernando Sabino, Sérgio Porto (Stanislaw Ponte Preta) e José Carlos Oliveira.

__________

Continua após a publicidade

A pelada como ela é

Outro craque das palavras, Sérgio Pugliese lança dia 20, às 17h, na Cobal do Humaitá, “A pelada como ela é” (Museu da Pelada). Um desfile de histórias deliciosas, hilárias, inacreditáveis – todas verídicas, garante Sérgio – sobre o amor entre os fominhas e a bola.

O jornalista conta vários casos colecionados há mais de dez anos, desde que mergulhou no folclore peladeiro. Habitaram coluna homônima no Globo, viraram quadro na Rádio Globo e hoje frequentam a mesa-redonda dominical da Tupi. O livro pedia passagem.

________

Alexandre Carauta é doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva, também formado em Educação Física.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.