Imagem Blog

Daniel Sampaio

Por Daniel Sampaio: advogado, ativista do patrimônio, embaixador do turismo carioca e fundador do Instagram @RioAntigo Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

Os 101 anos da cantora Elizeth Cardoso, a Divina

Minha homenagem a uma das maiores artistas da nossa música

Por Daniel Sampaio Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 20 jul 2021, 15h40 - Publicado em 16 jul 2021, 23h05

Em 16 de julho de 2020, nascia, na Rua Ceará, pertinho da Praça da Bandeira, a grande diva Elizeth Cardoso. Conhecida como “A Divina”, Elizeth é considerada uma das mais importantes e talentosas cantoras da MPB. Brilhou intensamente a Era do Ouro do rádio, gravou seu nome na história do choro e do samba e também deixou sua marca na invenção da bossa nova.

Elizeth lançou, em maio de 1958, o álbum “Canção do Amor Demais”, um dos 100 maiores discos brasileiros segundo a Rolling Stone Brasil. Nele, Elizeth gravou, pela primeira vez, “Chega de Saudade”, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, o hino inaugural da bossa nova.

Elizeth fez muito sucesso também no cinema, tendo participado de sete filmes, todos eles musicais da década de 1950, nos quais cantou lindamente e muito bem acompanhada — inclusive de João Gilberto.

Elizeth foi, na minha opinião, a cantora que melhor interpretou “Carinhoso”, o belíssimo choro de João de Barro e Pixinguinha — que é a minha canção favorita de todos os tempos. Elizeth me emociona e toca a minha alma.

Afinal, a nossa Elizeth conviveu com Tia Ciata e Noel Rosa. Foi descoberta por ninguém menos que Jacob do Bandolim, aos dezesseis anos de idade. Foi amiga de Sarah Vaughan e Nat King Cole. Influenciou Maysa, Elis e tantas outras. Conviveu com os grandes e foi enorme ela mesma.

Continua após a publicidade

Desculpem o clichê, mas Elizeth foi também uma “mulher à frente de seu tempo”. Lutou como poucas pela autonomia profissional da mulher na música. Foi mãe solteira, foi independente. Foi transgressora e precursora.

Nossa diva faleceu em 1990, com 69 anos, devido a complicações de um câncer no esôfago, deixando muita, mas muita saudade.

VIVA ELIZETH CARDOSO, A DIVINA!

*Daniel Sampaio é advogado, memorialista e ativista do patrimônio. Fundou o Instagram @RioAntigo e é presidente do Instituto Rio Antigo.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.