Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Bruno Chateaubriand Por Bruno Chateaubriand, jornalista

Varíola dos macacos: taxa de positividade chega a 30% em rede privada

Diagnósticos da doença começaram a ser realizados no início da semana passada

Por Bruno Chateaubriand Atualizado em 2 ago 2022, 14h32 - Publicado em 2 ago 2022, 14h31

A taxa de positividade para Varíola dos Macacos nas unidades do Richet Medicina & Diagnóstico, no Rio de Janeiro, chegou a 33% no início desta semana, afirma Hélio Magarinos Torres Filho, diretor do laboratório. Os testes PCR para diagnóstico da monkeypox começaram a ser realizados nas unidades no início da semana passada. Esse teste é realizado em amostras das lesões de pele e indicado para pessoas que tiveram contato com outros indivíduos diagnosticados com a doença.

Dr. Hélio Mangarinos respondeu alguns questionamentos básicos sobre o teste e o diagnóstico da doença:

Como é feito o teste?
-Trata-se de um teste por metodologia RT-PCR, semelhante ao que hoje é utilizado para o diagnóstico da Covid-19. São capturados fragmentos de material genético do vírus nas amostras (lesões de pele do paciente), por técnica de biologia molecular.

Quem pode fazer o teste?
-Pessoas com suspeita de infecção ou que tiveram contato com outros indivíduos diagnosticados com a doença, desde que apresentem lesões de pele, somadas ou não a outros sintomas como febre, fadiga, dor de cabeça e dores musculares. É necessário também um pedido médico.

Quando o teste deve ser feito?
-O teste é feito a partir de amostra coletada diretamente das lesões, sendo ideal coletar na fase aguda, com pústulas vesiculares, quando a quantidade de vírus é mais acentuada, através de swabs. Pode ser feito nas fases mais tardias, coletando material das crostas, mas a sensibilidade pode ser menor do que na fase aguda. Em amostras de sangue ou saliva, não existe comprovação de utilidade clínica. O principal diagnóstico diferencial é a Varíola, que foi considerada erradicada em todo o mundo.

Qual a importância do diagnóstico?
-A importância do diagnóstico está relacionada principalmente para que se possa fazer o isolamento da pessoa contaminada, evitando a disseminação da doença.

Quanto tempo leva para sair o resultado?

-Até 4 dias corridos.

O que acontece em caso de resultado positivo?

-Todos os testes positivos são notificados às autoridades sanitárias e as amostras encaminhadas para os laboratórios centrais de referência (UFRJ, FIOCRUZ, LACEN).

Continua após a publicidade

Qual o grau de sensibilidade do teste?

-O grau de sensibilidade do teste é superior a 95%. Mas, mesmo com alto grau de sensibilidade e de especificidade, não se pode descartar com absoluta certeza a possibilidade de resultados falso-positivo ou falso-negativo, devido a diversos fatores, como contaminação da amostra, inibição da reação de PCR, fase da doença em que a amostra foi coletada. Portanto, a correlação dos resultados com os dados clínicos do paciente é de fundamental importância e, naqueles em que a correlação não for fidedigna, é recomendado a repetição do teste em uma nova amostra.

Como acontece a transmissão da Varíola dos Macacos?

-O vírus é transmitido de pessoa para pessoa através de rupturas da pele (feridas ou pequenas feridas pouco perceptíveis, como as que ocorrem durante atos sexuais), através do trato respiratório (contato próximo e prolongado) e através de mucosas. A transmissão através do contato com animais infectados por mordedura, manuseamento de carne fresca, contato direto com líquido de lesões de animais contaminados, também é um fator de risco. A possibilidade de transmissão através de objetos contaminados também não pode ser descartada, como roupa de cama, toalha de banho, etc.

Qual o período de incubação?

-Entre 6 e 13 dias, podendo atingir 5 a 21 dias.

Por quanto tempo o paciente deve se manter em isolamento?

-O período de isolamento recomendado é até que haja o desaparecimento das crostas. Contatos próximos devem ser monitorados a cada 24h por 21 dias após o último contato com o paciente. Não existe necessidade de isolamento para os contatos assintomáticos.

Quais são os principais sintomas?

Febre, cefaleias (dor de cabeça), calafrios, cansaço, gânglios, dor muscular ou dor nas costas. Frequentemente o paciente desenvolve “rash” cutâneo (pequenas manchas vermelhas na pele) dentro de 1 a 3 dias após o início da febre, geralmente começando pela face e espalhando pelo resto do corpo, incluindo pés e mãos. As lesões cutâneas iniciam como máculas (lesões avermelhadas, não palpáveis), evoluindo para pápula (lesões avermelhadas, elevadas, palpáveis), vesículas (lesões palpáveis com líquido claro), pústulas (lesões palpáveis com pus), crostas (lesões palpáveis com uma crosta) e cicatriz. Existem relatos de pessoas que cursam com Monkeypox de forma assintomática, sendo mais comum em vacinados para Varíola (nascidos antes de 1973, Brasil).

Qual a diferença entre a Varíola e Varíola dos Macacos?

-A principal diferença entre Varíola (Smallpox) e Varíola do Macaco (Monkeypox) é que a Monkeypox causa o aparecimento de linfadenopatia (gânglios) nas regiões cervical e inguinal, enquanto Smallpox e Chickenpox (Catapora) geralmente não produzem gânglios.
Na grande maioria das pessoas a doença cursa de forma autolimitada, com duração de 2 a 4 semanas. Grupos de risco (imunodeficientes) podem cursar com quadros mais graves da doença.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês