Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Bruno Chateaubriand Por Bruno Chateaubriand, jornalista

Carnaval: porta-bandeira histórica da Mangueira anuncia aposentadoria

Squel Jorgea, um dos maiores nomes do Carnaval Carioca, anuncia que pendurou seu talabarte

Por Bruno Chateaubriand 15 jun 2022, 12h35

Responsável pela condução de um dos pavilhões mais importantes do carnaval do Rio de Janeiro, a porta-bandeira da Estação Primeira de Mangueira, Squel Jorgea, pegou o mundo do samba de surpresa, e ontem anunciou que iria pendurar seu talabarte. 

Squel Jorgea Ferreira Vieira nasceu no dia 4 de outubro de 1982, no bairro do Estácio, no Rio de Janeiro. Sua ligação com o carnaval vem de berço. Sua mãe desfilava na Estação Primeira de Mangueira. Seu pai, na Acadêmicos do Grande Rio. É neta de Xangô da Mangueira, histórico sambista do carnaval carioca. Desde pequena frequentava a quadra da Grande Rio, escola de Duque de Caxias. Começou a desfilar na escola aos nove anos, primeiro como baianinha, depois como passista-mirim e na sequência foi porta-bandeira mirim. Em 1998, ganhou um concurso para segunda porta-bandeira da escola no Carnaval de 1999. Em 2002, aos 18 anos, assumiu o primeiro posto. “A maioria do meu tempo de vida me dediquei ao carnaval e deixei muitas vezes a minha família de lado e hoje quero me dedicar a outros projetos”, disse. 

Como primeira porta-bandeira da Grande Rio, conquistou três vice-campeonatos (2006, 2007 e 2010). Em 2011, um incêndio destruiu o barracão da escola na Cidade do Samba. A agremiação não foi julgada. Após o desfile de 2012, se desligou da Grande Rio. Em 2013, desfilou pela Mocidade Independente de Padre Miguel. Para o carnaval de 2014, foi contratada pela Mangueira para substituir Marcella Alves, formando par com o mestre-sala Raphael Rodrigues. Em 2014, foi uma das personalidades homenageadas no desfile da Unidos do Porto da Pedra, em homenagem aos casais de mestre-sala e porta-bandeira. No carnaval de 2015, dançando na chuva, Squel e Raphael conquistaram a nota máxima de todos os jurados. Squel também recebeu seu primeiro Estandarte de Ouro, prêmio disputado é muito respeitado pelos sambistas. No desfile, em homenagens às mulheres brasileiras, Squel incluiu em sua coreografia o gesto do “V de vitória”, eternizado pela porta-bandeira mangueirense Neide.

Em 2016, Squel conquistou seu primeiro título no carnaval carioca. Mais uma vez, ela e Raphael receberam a nota máxima de todos os jurados. No desfile em homenagem à cantora Maria Bethânia, Squel se destacou pelo seu figurino, representando uma iaô iniciada no candomblé. A porta-bandeira cortou o cabelo para utilizar uma touca que fizesse ela parecer careca. Com a saída de Raphael Rodrigues da Mangueira, a escola subiu de posto Matheus Olivério, seu segundo mestre-sala. Matheus é filho de Xangô da Mangueira e tio de Squel. Em 2019, Squel conquistou seu segundo título de campeã pela Mangueira. Pelo terceiro ano seguido, Squel e Matheus receberam nota máxima de todos os jurados, passando à ser a porta-bandeira que se manteve por cinco anos consecutivos obtendo as notas máximas dos jurados. Quebrando um recorde, que até então, era de quatro carnavais de Lucinha Nobre. Há nove anos era a responsável pela condução do Pavilhão Mangueirense e em 2022, a porta-bandeira completou vinte anos de carreira exercendo o ofício que demonstra o bailado de uma arte essencialmente nossa. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)