ONG cria site que mapeia crimes cometidos por policia fluminense

Em Onde a Polícia Mata é possível consultar em quais áreas acontece o maior número de autos de resistência. O campeão de casos é o 41º Batalhão, em Irajá

Um retrato sobre as mortes relacionadas a policiais militares no estado do Rio de Janeiro foi traçado pela ONG Justiça Global. A organização reúne os dados dos registros de autos de resistência no site Onde a Polícia Mata. Esta é a forma que são registrados normalmente as mortes durante operação das forças de segurança. Em um mapa interativo é possível localizar as áreas por incidência de casos. O retrato demonstra que o maior número de casos são registrados em áreas mais pobres.

Mapa Onde a Policia MataMapa Onde a Policia Mata

 (/)

Até julho de 2015, 410 pessoas foram mortas dessa forma pela PM; o número representa um aumento de 18,6% em relação ao mesmo período de 2014. Isso sem contar que a variação entre o ano passado e 2013 já havia superado em 40% as ocorrências. São casos como o dos cinco jovens executados dentro de um carro em Costa Barros, no dia 28 de novembro, por policiais do 41º Batalhão (Irajá). A unidade inclusive é que tem o maior número de autos de resistência nos últimos três anos.

+ Anistia Internacional intensifica campanha contra violência policial

+ É “prioridade zero” ocupar Chapadão e Pedreira, diz Pezão

+ Acordo pode acelerar indenização às famílias dos jovens mortos por PMs

+ Polícia Militar exonera comandante do batalhão de Irajá depois de chacina

+ Beltrame diz que chacina é ‘indefensável’ e que PMs responderão pelo crime

O site reúne dados sobre a distribuição dos registros nos últimos cinco anos, seguindo informações disponibilizadas pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). O mapa disponível apresenta a distribuição de acordo com a soma dos registros neste período e o território aparece dividido de acordo com as áreas de atuação de um batalhão da Polícia Militar, chamadas de Áreas Integradas de Segurança Pública (AISPs).

 

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s