Livro discute impacto da construção da Ponte Rio-Niterói

Os 13 quilômetros de concreto começaram a ser levantados em 1968 e, hoje, são atravessados por até 1,8 milhão de veículos a cada semana

Em Baía de Guanabara: Passado, Presente e Futuros (Andrea Jakobsson Estúdio, 228 págs., R$ 120,00), os organizadores David Zee, Rodrigo Medeiros, Fabio Rubio Scarano e Israel Klabin põem em debate o impacto da construção da Ponte Rio-Niterói e de aterros na região. Os 13 quilômetros de concreto começaram a ser levantados em 1968 e, hoje, são atravessados por até 1,8 milhão de veículos a cada semana. Por infeliz coincidência, a parte pesada da poluição local inclui pneus de automóveis descartados de forma irregular. Editado em parceria com a organização Conservação Internacional, o livro reúne retratos recentes, feitos por Marco Terranova, e fotos históricas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s