Lei criada por Marielle Franco não é cumprida por falta de verba

A medida estabelece uma rede de casas de parto, com a construção de cinco unidades até 2022

A morte de 62 parturientes cariocas em 2016 levou a vereadora Marielle Franco (1979-2018), ex-presidente da Comissão de Defesa da Mulher na Câmara, a elaborar um projeto de lei. Inspirada pelo bem-sucedido trabalho de uma unidade da Secretaria Municipal de Saúde em Realengo, a Casa de Parto David Capistrano Filho, que em treze anos não registrou um único óbito, Marielle liderou os trabalhos de criação da Lei nº 6282, que estabelece uma rede de casas de parto, com a construção de cinco unidades até 2022. Aprovada em plenário e promulgada pelo prefeito Crivella, essa lei não é cumprida por falta de verba destinada pelo Poder Executivo municipal.

Transmissão de campeonato de videogame deve reunir 7 mil pessoas

Roda de samba Gloriosa se apresenta pelo Rio a partir de maio

Escola Parque bane copos e canudos descartáveis da sua cantina

Livro resgata obras arquitetônicas

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s