Há cem anos erguia-se o castelo mourisco, na Avenida Brasil

A construção teria sido inspirada em dois prédios europeus: a sinagoga de Berlim e o Palácio Montsouris, em Paris

O cientista Oswaldo Cruz e o engenheiro português Luiz Moraes Júnior se conheceram num trem do ramal da Leopoldina. Responsável pela erradicação da febre amarela no início do século XX, o brasileiro estava a caminho de Manguinhos, onde já funcionava um laboratório municipal, e Moraes Júnior se dirigia à Igreja da Penha, cujo vigário o havia contratado para realizar obras de melhorias. Desse encontro fortuito resultou o convite ao profissional lusitano para projetar o castelo mourisco que ainda hoje sobressai na paisagem tumultuada e poluída da Avenida Brasil. A construção emblemática completa seu centenário em 2018 e teria sido inspirada em dois prédios europeus: o Palácio Montsouris, que abrigava um laboratório de análises bacteriológicas em Paris, frequentado por Oswaldo Cruz em seu período de estudos no Instituto Pasteur, e a sinagoga de Berlim, visitada pelo cientista e pelo engenheiro em 1907, por ocasião da Exposição Internacional de Higiene, na capital alemã.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s