Gigante da educação compra Colégio de A a Z

À frente do Grupo SEB, Chaim Zaher, ex-sócio da Estácio, manterá linha pedagógica e gestão, mas vai expandir atuação para o Ensino Fundamental completo

Um dos maiores no segmento de educação básica privada no Brasil, o Grupo SEB (Sistema Educacional Brasileiro) anunciou nesta segunda (22) a compra do Colégio e Vestibular de A a Z, no Rio, após cinco anos de “namoro”. Com cerca de 3 000 alunos, a rede dispõe de sete unidades distribuídas em cinco bairros cariocas (Barra da Tijuca, Botafogo, Ipanema, Recreio e Tijuca). 

A empresa paulista pertence ao empresário Chaim Zaher, ex-sócio da Estácio, que pretende expandir o grupo com aquisições em terras cariocas. Segundo o acordo de controle societário, os quatro fundadores da rede, Bruno Rabin, Carlos Ferrão, Felipe Sundin e Naun Faul, seguem à frente do dia a dia da escola, bem como da bem-sucedida linha pedagógica e do modelo de gestão. Mas com o aporte dos novos investidores, o objetivo é estender a proposta educacional, focada no Ensino Médio e no pré-vestibular, para um Ensino Fundamental completo, ainda não oferecido pela instituição (que atualmente só contempla as séries a partir do 9º ano).

Chaim Zaher: ex-acionário da Estácio

Chaim Zaher: ex-acionário da Estácio (Grupo SEB/Divulgação)

A expansão para a educação básica está prevista para 2019 e deve começar pela unidade da Barra da Tijuca. O projeto prevê ainda ensino bilíngue, a possibilidade de ensino integral e novas metodologias, como o investimento em recursos tecnológicos para permitir que os alunos desenvolvam nas atividades complementares o que aprendem na teoria. “Nunca abrimos para investidores externos. Nosso crescimento sempre foi saudável, aos poucos, no boca a boca. Só que hoje operamos no nosso limite. Os próximos passos são muito largos e precisam de investimento em infraestrutura, e não só mão de obra extremamente qualificada, daí que entendemos que o SEB tem muito fôlego financeiro e expertise em educação para nos agregar”, afirma Bruno Rabin, diretor acadêmico do Colégio de A a Z. “Isso nos garante uma expansão com qualidade, pois estaremos associados a referências em pedagogia e tecnologia educacional”, completa.

Ainda sem prazo definido, estão no pacote ainda a abertura de unidades do De A a Z em Niterói e na Freguesia e uma instituição de ensino superior da marca, criada em 2006. Com mensalidade média em torno de R$ 2 000, a rede de A a Z dispõe de um banco com mais de 18 000 vídeos e 50 000 resoluções de questões. Futuramente, a ideia é usar esse farto material como apoio para as outras instituições do Grupo SEB, que conta com 39 escolas e 45 000 alunos em nove estados brasileiros.

+ Universidade Estácio, maior do Rio, dá sinais de recuperação

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s