Diogo Franco ajuda a fazer cirurgias labiais em pessoas carentes

O cirurgião plástico é voluntário da Operação Sorriso, atende pacientes com fissuras labiopalatinas

Há dezesseis anos, o cirurgião plástico Diogo Franco foi convidado para participar, como voluntário, de uma das missões da ONG americana Operation Smile — que atende pessoas carentes com fissuras labiopalatinas, como lábio leporino (lábios abertos) e fendas palatinas (céu da boca aberto). O médico viajou para Natal (RN) e ficou tão encantado com a experiência que entrou no projeto de corpo e alma. “Acabei ajudando a estruturar a Operação Sorriso brasileira e, há cerca de sete anos, faço parte do conselho da instituição”, conta o cirurgião, especialista em más-formações congênitas e reconstrução mamária. 

Os atendimentos costumam ser feitos em áreas carentes, como Mossoró (RN), onde Diogo esteve neste mês. “Tínhamos a expectativa de operar quarenta crianças, mas aumentamos esse número para 53. E foi muito bacana. Havia um menino de 10 anos que mantinha os cabelos compridos para poder esconder o rosto. Depois da cirurgia, ele os cortou, cumprindo uma promessa da avó”, relata. 

“Nosso trabalho devolve o sorriso, a autoestima e a perspectiva de inclusão social”

Diogo gosta de ressaltar que a cirurgia é apenas o ponto-chave do processo, mas que os pacientes precisam de muito mais. “Formamos um grupo multidisciplinar, com fonoaudiólogos, dentistas, psicólogos. Viajamos com cerca de 100 pessoas e ficamos entre cinco e sete dias em cada local”, conta o médico. Nos dois primeiros dias, é feita uma avaliação dos pacientes; nos dias restantes, as cirurgias. Um pequeno grupo fica para acompanhar o pós-operatório, até a retirada dos pontos. Seis meses depois, outra equipe retorna para a avaliação final. 

O atendimento funciona da seguinte forma: um médico, o representante de uma associação de moradores ou até mesmo o governo local entra em contato com a organização, que avalia se realmente há demanda. “Verificamos se o atendimento é viável, porque precisamos de alimentação, hospitais e até alojamentos, porque muitos pacientes moram longe e, como são bastante necessitados, não têm como ir até nós e voltar para casa”, diz Franco, que neste ano ainda visitará Santarém, Fortaleza e Porto Velho. “É muito gratificante, e isso dá vontade de retornar sempre. Nosso trabalho devolve o sorriso, a autoestima e a perspectiva de inclusão social. Conquistar um emprego, um namorado ou passar um batom ganha outro significado para quem deixa de carregar uma marca no rosto”, finaliza o cirurgião, que foi aluno do mestre Ivo Pitanguy.

+ Gustavo Valente criou campanha para oferecer consultas grátis

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s