Assessor de vereador que depôs no caso Marielle é morto no Boiúna

"Chega para lá que a gente tem que calar a boca dele", teriam gritado assassinos

 (Facebook/Reprodução)

Alexandre Pereira Maria foi morto a tiros na noite deste domingo (08) no Boiúna. O homem de 37 anos trabalhava no gabinete do vereador Marcello Siciliano, do PHS, na Câmara Municipal do Rio.

A Delegacia de Homicídios da capital (DH) investiga o crime. De acordo com o site de um jornal carioca de grande circulação, Alecandre estava por volta de 20h45 na Estrada Curumau, quando tudo aconteceu. Testemunhas relataram que, antes da execução, os assassinos gritaram: “Chega para lá que a gente tem que calar a boca dele”

Na última sexta (06), Sicilliano depôs na DH sobre o caso da morte da colega Marielle Franco, assassinada no último dia 14. “Foi com grande pesar que recebi a notícia de falecimento do nosso colaborador Carlos Alexandre Pereira”, afirmou o parlamentar em nota divulgada à imprensa. De acordo com o site de um jornal de grande circulação, a polícia investiga a possível ligação de Alexandre com milicianos que atuam na região onde ele foi executado, na qual era líder comunitário. Seu corpo deve ser liberado pelo IML ainda nesta segunda (09).

Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Onde há fumaça há fogo. Os mandantes estão dentro da Câmara de vereadores.