Antonio Ivo Daflon distribui presentes de Natal há 40 anos

Vestido de Papai Noel, o empresário de 64 anos deixa mais alegre as festas em hospitais, orfanatos e asilos

Para muitos cariocas, o Papai Noel realmente existe — e, quando não está em serviço, distribuindo presentes no fim do ano, atende pelo nome de Antonio Ivo Daflon. A espessa barba branca que o empresário, de 64 anos, conserva desde 2007 ajuda na composição do personagem, mas é sua generosidade a razão pela qual costumam considerá-lo o Bom Velhinho: há quarenta anos ele comparece a asilos, orfanatos e hospitais para deixar mais alegre o Natal de quem precisa. Nascido em São Sebastião do Alto, uma pequena cidade no interior do Estado do Rio, Daflon é o caçula de onze irmãos, e, durante a infância, seu Natal era singelo. “Nós jantávamos juntos, mas não havia troca de presentes. Eu não tinha brinquedos”, lembra. Aos 8 anos, ele veio morar com uma irmã na capital, e só aos 12 desfrutou seu primeiro Natal na cidade. “Fiquei encantado com as luzes, a ceia e os presentes, que ganhei pela primeira vez na data”, conta. A partir daí, Daflon começou a se interessar por tudo o que remetia à festividade e, ainda na adolescência, a nutrir o sonho de incorporar o Papai Noel. A primeira vez que usou a fantasia foi aos 22 anos, na festa de fim de ano da empresa em que trabalhava. Dois anos depois, em 1975, deu início a um trabalho social ao visitar um pequeno orfanato que abrigava catorze crianças. 

“O verdadeiro voluntário é aquele que dá sem receber nada em troca”

De lá para cá, recrutou os amigos em uma grande campanha, e hoje distribui mais de 12 000 presentes por ano em locais como o Instituto Nacional de Educação de Surdos (na foto), o Instituto Nacional do Câncer e o Hemorio. As doações são armazenadas em uma casa alugada no bairro do Maracanã, que funciona como sede do Instituto Casa do Papai Noel, como foi batizada a iniciativa. “Todo o trabalho é mantido por voluntários. Não temos ne­nhum funcionário remunerado, tampouco cunho político ou religioso”, explica. As atividades, no entanto, não se restringem às festas natalinas. Criada em 1996, a ação Natal o Ano Todo presta assistência contínua a 120 famílias, com cestas básicas, consultas médicas e orientação profissional. Já o Projeto Dignidade reforma, desde 2003, a casa de pessoas que vivem em condições precárias de habitação. “Uma das coisas que me propiciam mais prazer na vida é ajudar os outros. O verdadeiro voluntário é aquele que dá sem receber nada em troca”, afirma Daflon. Esse é o real es­pírito natalino. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s