Continua após publicidade

Usina de Campeões transforma vidas em Manguinhos

Desde 2016, o maior projeto de artes marciais do Brasil já levou inclusão social e qualidade de vida para as famílias de mais de mil crianças e adolescentes

Por Abril Branded Content
Atualizado em 29 Maio 2024, 15h56 - Publicado em 24 jan 2024, 10h00

Há quatro anos,  Isabelle (nome fictício), de 14 anos, foi convencida a participar do maior programa de formação de atletas do Brasil, a Usina dos Campeões. Ela vivia em situação de vulnerabilidade social, mas aceitou participar de um programa de tratamento para dependência química e, na sequência, começou a treinar. Hoje ela tem 18 anos, faz curso técnico e é uma atleta de kickboxing promissora.

Histórias como estas se repetem todos os dias em Manguinhos, na zona norte do Rio de Janeiro, que abrange 12 comunidades cariocas e tem cerca de 36 mil habitantes. “Temos histórias de meninos que passaram pelo sistema penal e hoje são monitores da usina e jovens aprendizes na Refit”, celebra Pedro Rizzo, lutador brasileiro de MMA, onde ficou conhecido pelo apelido The Rock (“A Rocha”), e coordenador da Usina de Campeões. “Sem a Refit, esse projeto não existiria”, explica ele, fazendo referência à primeira refinaria privada do Rio de Janeiro, que apoia o projeto desde suas origens, em 2016.

Resultados expressivos

A iniciativa social tem transformado a vida de crianças e jovens através do esporte. O projeto oferece aulas de inglês on-line, apoio na alfabetização, lanche no local, assessoria social e jurídica para a família e cestas básicas, que são entregues mensalmente a todos os participantes. E coloca jovens para praticar muay thai, capoeira, jiu jitsu, boxe, luta olímpica e taekwondo, com impacto para a qualidade de vida dos jovens e de suas famílias.

O impacto da Usina dos Campeões pode ser medido em números expressivos. A empregabilidade pós-usina alcança nove professores, três profissionais de administração, seis monitores, 18 jovens aprendizes, seis profissionais promovidos e duas pessoas em universidades federais. 

Continua após a publicidade

A participação em campeonatos alcança 22 alunos atuais no Bolsa Atleta, além de 23 alunos que se tornaram profissionais. Em funções específicas na Refit, 10 são jovens atletas como segurança patrimonial e seis auxiliares de serviços gerais e profissionais de limpeza, entre atuais e do passado. Assim a Usina atua em diversas frentes, entre empregabilidade, participação em campeonatos e o desenvolvimento de carreiras profissionais dos participantes.

Disciplina e autoestima

Pedro Rizzo lembra que as artes marciais são uma grande ferramenta de inclusão social. “A arte marcial é um esporte individual. Depende muito da sua disciplina e do comprometimento com você. O jovem transforma sua cabeça desde novo e se compromete e cuidar da alimentação, a evitar influências negativas.”

Atualmente, são 350 jovens matriculados no programa, com idades de 7 a 20 anos. Participar das atividades escolares e ter boas notas é pré-requisito para levar adiante as atividades esportivas. “São 300 famílias impactadas atualmente. Desde 2016, mais de mil jovens passaram pelo programa”, celebra Rizzo, que recentemente ganhou o Prêmio Melhores do Ano nas Artes Marciais 2023, na categoria Legado do MMA. E já foi treinador de astros como José Aldo e Rodrigo Minotauro.

Continua após a publicidade

“Nosso objetivo é formar cidadãos”, diz o coordenador da iniciativa, que foi fundada com apoio do empresário Ricardo Magro, mantenedor da entidade. Utilizamos os conceitos das artes marciais, do esporte, de cidadania: solidariedade, ética, respeito ao próximo, hierarquia. Ao aplicarmos todos os conceitos necessários para formar atletas, formamos cidadãos”.

Apoio integral

Na Usina de Campeões, as aulas são gratuitas e acontecem todos os dias sempre contraturno escolar no período da manhã da tarde. Todas as crianças recebem cestas básicas e acesso ao transporte para chegar até Manguinhos. E os alunos contam com a possibilidade de serem absorvidos pela equipe profissional da Usina de Campeões e da escola Rizzo/Ruas Vale Tudo.

A iniciativa trabalha fatores que causam impacto positivo no futuro dos jovens “Temos muitos alunos que viraram monitores e professores. Eles ajudam as famílias. São comprometidos, melhoram a autoestima, ajudam a valorizar a alimentação e a atividade”, diz Rizzo, que também teve a vida transformada pela atividade física. “O esporte transformou a minha vida, me fez olhar para o lado, entender as necessidades de quem treina comigo.”

Continua após a publicidade

Para saber mais sobre o Usina de Campeões, acesse o Instagram e o canal do YouTube.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.