Continua após publicidade

Urban jungle (ou selva urbana) é tendência na decoração

Da cozinha ao banheiro, cariocas levam a natureza para dentro de casa e transformam cômodos em mini-florestas. Conceito nasceu na Escandinávia

Por Daniela Pessoa Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 1 jun 2018, 08h01 - Publicado em 1 jun 2018, 08h01

Buritis, jequitibás, guaimbés, helicônias, manacás — a lista é longa. Encravado na Mata Atlântica, o Rio tem hoje um terço de seu território coberto por esse que é um dos biomas mais ricos do mundo, com 20 000 espécies só de plan­tas. Na capital, são quase 35 000 hectares, o equivalente a 42 000 vezes o tamanho do Maracanã, segundo o mapeamento da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) feito em 2017. Com paisagens naturais capazes de tirar o fôlego à sua volta, os cariocas agora estão levando a floresta para dentro de casa. A tendência da urban jungle, ou selva urbana, na tradução para o português, vem da arquitetura escandinava e consiste em encher os cômodos com plantas dos mais variados tipos, para compensar a falta de verde das metrópoles. No Rio tropical, a moda pegou fácil. Em Ipanema, o publicitário Gabriel Oliveira, 36 anos, lotou seu apartamento, de 60 metros quadrados, com costelas-de-adão, aráceas, Ficus lyrata (conhecida como figueira-lira), planta carnívora e ainda um bonsai de 35 anos. No total, há vinte vasos e mudas. “A vegetação traz vida e aconchego ao lar. Consegui uma decoração impactante num momento em que eu não gostaria de gastar muito dinheiro. Todos os meus amigos querem copiar”, vangloria-se Oliveira, que rega sua minisselva dia sim, dia não, e a aduba uma vez por mês.

Exuberantes, esses projetos verdejantes ganham força na internet. De acordo com a rede social de fotos Pinterest, em 2017 houve um crescimento de 75% no interesse pelo segmento de lar e decoração — e as plantas, em especial, fizeram o maior sucesso: as buscas por tipos e as pesquisas sobre o tema dentro da plataforma aumentaram 533%. Da cozinha ao banheiro, a regra é uma só: verde, muito verde. A possibilidade de composições e combinações é praticamente infinita, ou seja, favorece um exercício delicioso de criatividade. “Minha dica é misturar: agrupe em um canto da sala, por exemplo, espécies com diferentes alturas, texturas e cores de folhagem. Opte também por vasos de tamanhos e materiais variados. Aposte ainda nos terrários, inclusive nos suspensos”, sugere o arquiteto Fabiano Ravaglia, que, em 2017, antecipou a tendência na mostra Morar Mais por Menos, ao expor o projeto de uma sala de estar toda verde. Ele avisa: “A samambaia que a gente via na casa das nossas avós apoiada naquele suporte metálico alto no chão está de volta desse mesmo jeito, mas necessita de muita rega”.

Em voga também nas estampas de roupas e em itens de decoração como quadros e almofadas, a costela-de-adão é uma das melhores plantas para cultivar em apartamento, junto com cactos e suculentas (veja o quadro ao lado). Para criar volume, Ravaglia recomenda as peperômias, que pendem lindamente de locais mais altos, como estantes e prateleiras. Para a advogada Danielle Toledo, 39 anos, sua pequena floresta caseira faz mais do que embelezar o apartamento onde ela vive, em Jacarepaguá, e deixar o ambiente mais fresco. “Cuidar das plantinhas é uma terapia, como diz a minha psicóloga. Outro dia fui criticada porque comprei um regador dourado de 200 reais, mas o fiz para tornar o ritual ainda mais prazeroso. Também ponho uma música ou canto quando as rego”, revela Danielle, que compartilha suas dicas no Instagram (@decorcommusica) enquanto festeja a chegada de passarinhos à sua janela, atraídos pelas flores. É quase um conto de fadas.espada de são jorge

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.