Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Tigre-de-bengala capturado na Índia entra para o acervo do Museu Nacional

Após perda da maior parte de seus 20 milhões de itens, em incêndio em 2018, instituição mantém campanha para recompor peças a serem exibidas no futuro

Por Redação VEJA RIO 18 Maio 2022, 14h06

Destruído por um incêndio, em setembro de 2018, o Museu Nacional aos poucos reconstitui seu acervo. A mais nova aquisição é um exemplar de tigre-de-bengala que irá compor as futuras exposições da instituição e poderá também ser usado em estudos, segundo informou Ancelmo Góis, em sua coluna, no jornal O Globo. O espécime foi doado pela empresária Martha Campos de Castilho, que herdou o animal do pai. Capturado na Índia, em 1969, o tigre-de-bengala tem em torno de 230 centímetros de comprimento e 165 centímetros de altura, e apresenta uma pelagem pouco comum, com listras bem finas e bom estado de conservação. Além do tigre-de-bengala, Martha doou para a instituição mais 18 espécimes taxidermizados do acervo de mamíferos reunido por seu pai.

+ Cidade nova: mais um hotel, desta vez no Catete, será transformado em residencial

O tigre será mantido no Setor de Mastozoologia do Museu Nacional. “O animal será muito importante na composição de uma exposição bem contextualizada, que combine acesso à informação, oportunidade de contemplação e fascínio, no sentido de despertar o interesse e a empatia do público de todas as idades pela natureza”, explicou ao Globo o curador da Mastozoologia do museu, João Oliveira.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

A maior parte dos 20 milhões de itens que o Museu Nacional abrigava foi totalmente destruída. Nele, estavam o mais antigo fóssil humano já encontrado no país, a Luzia; a coleção egípcia que começou a ser adquirida ainda por Dom Pedro I; a coleção de arte e artefatos greco-romanos da Imperatriz Teresa Cristina e coleções de paleontologia que incluam o fóssil de um dinossauro proveniente de Minas Gerais. Hoje, a instituição de história natural e antropologia mantém uma campanha para a recomposição de seu acervo. Graças a ela foi possível reunir artefatos únicos, como 27 peças greco-romanas do diplomata aposentado Fernando Cacciatore e uma coleção etnográfica indígena de Tonico Benites.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)