Clique e assine por apenas 4,90/mês

Super Lua atinge seu ápice nesta segunda (14)

Desde 1948, a lua não ficava a uma distância tão próxima da Terra, oferecendo um belo espetáculo visual. Fenômeno só deve ocorrer novamente em 2034

Por Redação VEJA RIO - Atualizado em 5 dez 2016, 10h56 - Publicado em 14 nov 2016, 16h56

Os cariocas precisarão contar com a sorte e torcer para que as nuvens de chuva se dissipem na noite desta segunda (14) a fim de apreciar o fenômeno da Super Lua, que ocorre quando a lua cheia está mais próxima da Terra do que o de costume, oferecendo um belo espetáculo visual. Desde 1948, o satélite natural não ficava tão próximo do nosso planeta. A distância média normal é de 384 000 quilômetros, mas cai para 356 511 quilômetros nesta segunda – a menor em todo o século XXI. O fenômeno faz com que a lua pareça 14% maior e 30% mais brilhante do que o comum.

+ Fotos: as belas imagens da Super Lua clicada ao redor do mundo

O melhor horário de olhar para o céu será entre 19h30 e 21h30, a olho nu mesmo, apesar de um binóculo ser útil para tornar o show ainda mais bonito. Quem estiver num lugar aberto distante da iluminação urbana também sai ganhando. Outra dica: Super Luas parecem ainda maior quando vistas através das árvores ou de casas. Aproveitem, porque a próxima vez que o corpo celeste chegará tão perto da Terra será no dia 25 de novembro de 2034.

Transmissão ao vivo

Se o tempo estiver nublado no Rio, uma boa pedida é acompanhar a transmissão ao vivo do fenômeno feita pelo site Climatempo, a partir das 20h, direto de João Pessoa, na Paraíba. Não perca!

Publicidade