Clique e assine com até 65% de desconto

Sem comida, presos comem papel higiênico molhado em Bangu 10

Detentos foram encontrados em condições consideradas "totalmente sub-humanas"

Por Redação Veja Rio Atualizado em 5 dez 2016, 12h07 - Publicado em 22 jun 2015, 17h24

A Defensoria Pública encontrou detentos em condições consideradas “totalmente sub-humanas” na Cadeia Pública Frederico Marques (conhecida como Bangu 10) durante uma inspeção no primeiro semestre deste ano. Em função da pouca comida disponível no local, presos relataram que chegaram a comer papel higiênico molhado para matar a fome.

+ Fernandinho Beira-Mar é condenado a 120 anos de prisão

Com capacidade para 532 pessoas, Bangu 10 abriga atualmente 735 detentos. A unidade prisional não foi a única a apresentar problemas de abastecimento de alimentos. Na Cadeia Pública Romeiro Neto, em Magé, os presos comeram só ovos de janeiro a abril em função de falhas no fornecimento de refeições.

+ Homem é preso com material para produzir 300 mil comprimidos de ecstasy

As situações acima descritas contrariam o previsto na Declaração Universal dos Direitos Humanos, promulgada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 e assinada pelo Brasil no mesmo dia. Em seu artigo V, esse documento prevê que “ninguém será submetido à tortura nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante”.

Continua após a publicidade
Publicidade