Continua após publicidade

Rita Fernandes: “Vamos botar os blocos na rua, oficiais ou não”

Presidente da Sebastiana vê censura em fala de secretário de eventos, que pediu para foliões evitarem carnaval de rua não autorizado pela prefeitura

Por Cleo Guimarães
Atualizado em 13 fev 2020, 11h29 - Publicado em 13 fev 2020, 11h23

O pedido – quase uma ameaça – feito pelo secretário de Envelhecimento Saudável, Qualidade de Vida e Eventos do Rio, Felipe Michel, aos foliões que forem às ruas brincar nos blocos não autorizados pela prefeitura foi recebido com indignação por Rita Fernandes, presidente da Associação Independente dos Blocos de Carnaval de Rua da Zona Sul, Santa Teresa e Centro (Sebastiana). “Isso é um absurdo completo, nós não vamos aceitar de jeito nenhum“, diz Rita, que está à frente de 11 blocos, todos oficiais. “Minha vontade era que não fôssemos autorizados porque iríamos sair mesmo assim. Um bloco sem autorização oficial tem o mesmo direito de qualquer outro de ocupar a rua. Isso é garantido pela constituição”.

Em entrevista coletiva de imprensa para tratar do carnaval de rua, nesta quarta-feira, Felipe, ao lado do prefeito Marcelo Crivella e do presidente da Riotur, Marcelo Alves, pediu às pessoas que evitassem os blocos não autorizados: “Não querem ordem, não querem segurança, querem baderna”. E foi além: “A gente pede para a sociedade não exaltar os blocos não oficiais. Queremos que a sociedade se divirta com segurança e esses blocos irregulares, além de sujar as ruas do Rio, deixam os locais inseguros”.

Rita considera que o discurso do secretário é mais uma demonstração de que a prefeitura tem a intenção de, aos poucos, ir minando o carnaval do Rio, por causa da natureza “anárquica e espontânea” da festa. Para ela, ao apelar para um possível cenário de insegurança nos blocos não autorizados, o secretário tenta mascarar um ato de censura, “aliás, mais um deste governo inacreditável”. “Os blocos alternativos, os não-oficiais, são muito mais tranquilos que os megablocos oficializados por essa prefeitura conservadora e preconceituosa. Isso é fato. Esse discurso é falso, de uma censura velada horrorosa. O lugar de todos os blocos é na rua. Tem espaço para todo mundo”.

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.