Continua após publicidade

Com recorde de megablocos, Carnaval de rua terá distribuição de água

Serão dez cortejos com expectativa de mais de 100 000 foliões, entre eles o Bloco da Anitta e o Bloco da Favorita, que marca a volta de Preta Gil à festa

Por Redação VEJA RIO Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
5 jan 2024, 17h04

O Carnaval de rua carioca terá 453 cortejos autorizados pela Riotur, três a menos do que no ano passado. Dez são megablocos, como são chamados os que atraem mais de 100 000 pessoas, e irão desfilar na Avenida Presidente Antônio Carlos, no Centro.

O público estimado de foliões nas ruas do Rio é de cinco milhões de pessoas. Os desfiles oficiais começam no dia 13 de janeiro. Uma novidade anunciada é que haverá pontos de hidratação nos blocos, em uma parceria com a Cedae, a ser divulgada em detalhes com o governo do estado nos próximos dias.

+ Palco do Samba do Trabalhador, clube Renascença passará por longa reforma

Três cortejos foram alçados ao posto de megablocos este ano: Chá da Alice, Bloco da Gold e Bloco da Favorita. Carrossel de Emoções (o primeiro deles grupo a sair, dia 20), Bloco da Lexa, Chora Me Liga, Cordão da Bola Preta, Fervo da Lud, Bloco da Anitta e Monobloco completam a lista.

Em 2024, a folia não contará com o Bloco da Preta, da cantora Preta Gil, que anunciou recentemente a cura de um câncer. Ela, no entanto, irá participar do Bloco da Favorita, onde será homenageada, na sua volta ao comando das multidões no Carnaval carioca, e fará um show pago no dia 4 de fevereiro, na Rio Arena, na Barra.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Já o Bangalafumenga, que também espera reunir atrair de 100 000 pessoas em 11 de fevereiro, continua no Aterro do Flamengo, altura do Monumento aos Pracinhas, por ser um bloco parado.

Nos megablocos, assim como nos anos anteriores, haverá barreiras de acesso e pontos de revista. Também será utilizado o sistema de reconhecimento facial que foi lançado no Réveillon de Copacabana e está monitorando as praias cariocas, dentre outros espaços da cidade.

+ Como emitir guias de pagamento do IPVA e de licenciamento anual no Rio

Continua após a publicidade

Os blocos autorizados ainda precisam de autorização da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros para sair, então o número pode cair. O Carnaval de 2024 teve também um recorde de pedidos de desfiles: foram 698, conta 618 em 2018, o maior número anterior.

O Centro será a região com mais desfiles, assim como aconteceu nos últimos anos. De 119 cortejos por lá em 2023, serão 128 em 2024. A Zona Sul terá 98, assim como no ano passado. Na Barra, o número caiu de vinte em 2023 para doze neste ano. Ainda haverá cortejos em Jacarepaguá (9), Grande Bangu (27), demais bairros da Zona Oeste (29), Grande Tijuca (60), demais bairros da Zona Norte (56) e ilhas (34).

+ O que já se sabe sobre caso de criança que desapareceu na Praia da Barra

Blocos não oficiais não terão estrutura da prefeitura

No primeiro fim de semana em que os blocos oficiais saem, nos dias 13 e 14 de janeiro, serão oito cortejos. Durante o Carnaval, a partir de 7 de fevereiro, serão 244 desfiles. Nos últimos dias, 16 a 18 de fevereiro, estão previstos 47 desfiles.

Para segurança pública, serão usados na cidade dez torres de observação durante trinta dias e 250 detectores de metal, além de grades para controle de acesso de multidões no circuito dos megablocos. Serão 2 500 diárias de operadores de tráfego terceirizados.

+ Carnaval tá aí: como assistir ensaios técnicos na Sapucaí sem perrengue

Para limpeza urbana, a coleta seletiva terá quinze postos móveis e cem desfiles serão contemplados. Serão oferecidos 34 000 banheiros químicos no trajetos dos blocos, sendo dez por centro adaptados para pessoas com deficiência.

Continua após a publicidade

Haverá nove postos médicos espalhados pela cidade, com a infraestrutura necessária para atendimento ao público, além de 250 diárias de UTIs e 1 200 diárias de maqueiros, com a organização dividida entre a Secretaria Municipal de Saúde e a empresa escolhida pela vencedora do Caderno de Encargos. A ideia é não onerar o sistema público de saúde com atendimentos de baixa complexidade.

+ Bom de “autinha”: conheça Floki, cachorro que viralizou ao jogar futevôlei

A Dream Factory, que desde 2010 atua no Carnaval carioca, assume a instalação de banheiros químicos, torres de monitoramento, o suporte ao trânsito (agentes e painéis de sinalização), organiza a venda de bebidas (credenciamento dos vendedores autônomos), o recolhimento de lixo reciclável, a proteção dos canteiros e monumentos e a estrutura de ambulâncias, entre outros itens, de acordo com o planejamento da Riotur e de outros órgãos municipais.

A empresa começou a instalar na quarta (3) as cercas de proteção de jardins, monumentos e canteiros de vegetação em praças e locais que estejam no trajeto dos blocos autorizados pela prefeitura.

Continua após a publicidade

+ O que você mais ama na Cidade Maravilhosa? Responda a pesquisa de VEJA Rio

No entanto, os blocos não oficiais, que também estão presentes em grande número no Carnaval de rua carioca, não terão esquema especial de hidratação ou banheiros químicos, por exemplo. “Mas nós vamos monitorar, prestando assistência na medida do possível, com a ação da Comlurb, por exemplo”, garantiu o presidente da Riotur, Ronnie Aguiar, ao Globo.

A empresa de turismo do município do Rio também irá lanças nas plataformas digitais, a partir de 12 de janeiro, um aplicativo que ajuda a encontrar os blocos por geolocalização. Além disso, site oficial carnavalderua.rio terá informações dos blocos, desfiles e notícias relacionadas à folia de 2024.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.