Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Projeto niteroiense distribui alimentos a famílias carentes

Pontinho de Luz, ação criada por Luiz Gabriel Tiago, promove a cultura da gentileza

Por Heloiza Gomes 5 jan 2018, 13h00

O niteroiense Luiz Gabriel Tiago é um dos indicados ao Prêmio Nobel da Paz 2018. O motivo: o trabalho que ele vem desenvolvendo à frente do projeto Pontinho de Luz. Criada em 2010 para valorizar atos de gentileza, a empresa social mudou seu foco rapidamente, para atuar no combate à fome em regiões de alta vulnerabilidade social e abandonadas pelo poder público. “Recebíamos muitos pedidos de ajuda de alimento. Aí, vimos que a fome é um grande problema no país. A verdade é que, quanto mais se vasculha, mais se descobre a miséria”, diz Tiago, que começou a trabalhar aos 16 anos como vendedor ambulante no Centro do Rio. Hoje, junto com uma equipe de dez pessoas, ele faz, todo mês, a entrega de cestas básicas a 450 famílias de baixa renda. “Há 300 nomes na lista de espera e todo dia chegam novos pedidos”, alerta ele, autor de vários livros sobre relações humanas, como Gentileza no Trabalho, o mais conhecido deles.

Apesar de o combate à fome ser o objetivo principal, a Pontinho de Luz não abandonou completamente o foco inicial. A equipe promove o trei­na­mento da gentileza, cuja finalidade é mostrar a im­por­tân­cia de cultivar a empatia na vida em sociedade. “Por meio de dinâmicas de grupo, desperta-se o potencial de sentir a dor do outro, para que o outro se torne visível. Isso faz querer ajudar a quem precisa”, acredita Tiago. O programa, destinado a empresas e pessoas físicas, é aplicado em dois dias consecutivos. Com 22 horas de duração, o curso custa a partir de 433 reais, e o dinheiro arrecadado é usado na compra das cestas doadas todo mês. Até agora, 37 000 pessoas do Brasil inteiro já concluíram as aulas de Tiago, que pretende expandir a iniciativa com o lançamento da campanha Um Quilo Faz a Diferença no início deste ano. “Quem quiser aderir basta preencher um formulário, arrecadar e distribuir os alimentos. Queremos dividir a responsabilidade e ganhar ainda mais força”, explica.

Publicidade