Clique e assine por apenas 4,90/mês

Professores da UFF retomam atividades após quatro meses em greve

Entretanto, servidores técnico-administrativos continuam parados, devido aos cortes nos orçamentos das universidades federais

Por Redação Veja Rio - Atualizado em 5 dez 2016, 11h47 - Publicado em 5 out 2015, 15h25

Os professores da Universidade Federal Fluminense (UFF) retornaram hoje (5) às atividades depois de quatro meses em greve. Os servidores técnico-administrativos continuam parados, devido aos cortes nos orçamentos das universidades federais.

Os professores da instituição concordaram, em assembleia no dia 30 de setembro, com a proposta do Comando Local de Greve (CLG) de garantir aos estudantes o direito à reposição integral das aulas interrompidas, tanto na graduação quanto na pós-graduação. Mas, mesmo com a normalização das atividades, a categoria mantém o pedido das melhorias das condições de trabalho e reajuste de salário.

O estudante de 27 anos do curso de publicidade e propaganda Yuri Hortz, que está no penúltimo período da graduação, terá de adiar o sonho da conclusão para o ano que vem. O aluno se sente prejudicado pela greve, mas defende os docentes e lamenta pelo governo não ter atendido às devidas reivindicações da categoria. “Estou feliz com o retorno, porém é preciso que defendamos com mais afinco os professores e as universidades, pois um país que trata sua educação de qualquer forma não pode prosperar.”

Já o estudante de ciências atuariais Daniel Souza foi um dos poucos que não foram prejudicados, pois, em seu curso, não houve paralisação. Mesmo tendo aulas, o estudante disse que iniciará o segundo semestre só em 25 de novembro, o que atrasará o término da graduação. Ele teme novas paralisações. “É obvio que, tendo em vista que o movimento grevista não alcançou os objetivos, uma nova greve virá”.

Uma assembleia da catagoria está marcada para amanhã, às 15h, no Campus Gragoatá para discutir o processo de reposição do calendário acadêmico e avaliar as reivindicações.

Publicidade