Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Rio apresenta menor índice de infestação por Aedes aegypti da história

Levantamento conclui que cidade apresenta menos focos de reprodução do mosquito, mas ainda há muito a ser feito. Conheça os bairros mais (e os menos) seguros

Por Redação VEJA RIO Atualizado em 5 dez 2016, 11h26 - Publicado em 7 mar 2016, 21h21

Realizado entre os dias 18 e 24 de fevereiro, um levantamento feito com metodologia do Ministério da Saúde concluiu que o Rio apresentou o menor índice (0,9%) de infestação predial (IIP) do mosquito Aedes aegypti da história da cidade para o período do verão. Normalmente, o índice é considerado satisfatório quando está abaixo de 1% de larvas do inseto transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Das dez Áreas Programáticas (AP) da cidade, seis apresentaram baixo risco: Centro, Zona Sul, Ilha e Zona da Leopoldina, Grande Méier, Madureira e adjacências, e Bangu e adjacências. Barra e Jacarepaguá estão numa zona de risco de baixo para médio, enquanto Grande Tijuca, Campo Grande, Santa Cruz e Paciência já apresentam risco médio.

+ Um batalhão de cientistas junta esforços para combater o Aedes aegypti

O levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) divide o município em estratos que variam de 8 100 a 12 000 imóveis com características semelhantes. Em cada estrato são pesquisados pelo menos 433 imóveis. A pesquisa identifica, então, os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do Aedes aegypti.

A metodologia permite saber, em curto espaço de tempo, quais áreas têm alta infestação, além de identificar quais são os tipos de criadouros preferenciais em cada estrato – 26,9% dos focos do mosquito estavam em depósitos fixos, como ralos, bombas, piscinas não tratadas, cacos de vidros em muros, toldos em desnível, calhas e sanitários em desuso. Os criadouros do vetor ainda são muito encontrados em vasos e pratinhos de planta e em materiais descartados indevidamente, como recipientes plásticos, garrafas, latas, entre outros (ambos com 21,2%); seguidos dos depósitos para armazenamento doméstico de água como tonel, tambor, barril, tina, filtros e potes (20,3%).

+ Leia mais notícias sobre cidade

 A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) atribui o baixo índice de infestação na cidade ao constante trabalho de prevenção e conscientização e também à colaboração da população.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês