Clique e assine por apenas 4,90/mês

Pela primeira vez, Cristo Redentor terá produtos licenciados

Empresas negociam com a Arquidiocese para explorar a imagem do monumento em produtos como perfumes, camisetas e réplicas em proporções perfeitas

Por Pedro Tinoco - 5 fev 2020, 13h07

O aniversário de noventa anos será celebrado só em 2021, mas a data já inspira uma revolução na exploração da imagem do Cristo Redentor. “A Igreja não trabalhava com royalties em relação ao monumento, agora montamos uma estrutura jurídica para tratar do licenciamento de produtos. O objetivo é gerar recursos para projetos culturais e sociais, além de sua manutenção”, explica o padre Omar, reitor do Santuário Cristo Redentor.

Ligada à Mitra Arquiepiscopal do Rio de Janeiro, dona dos direitos autorais sobre o monumento, uma equipe de licenciamento está em franca negociação com empresas interessadas. A lista de produtos à vista inclui perfumes, camisetas e réplicas da estátua em proporções perfeitas, fruto de um trabalho de escaneamento da original. “O Cristo não é um monumento escondido no alto da montanha, ele está vivo, e descendo o morro”, avisa o padre Omar.

Publicidade