Continua após publicidade

Pedreiro encontra corpo que pode ser de jovem desaparecido no Carnaval

Segundo testemunhas, amigo de Caio Rondão, de 21 anos, tentou fugir carregando o corpo. Wesley de Souza agora está foragido

Por Da Redação
11 jun 2024, 11h46

A agonia de uma família que não vê Caio da Silva Rondão, de 21 anos, desde fevereiro pode, enfim, estar próxima de acabar.

Nesta segunda (10), um pedreiro encontrou um corpo dentro de um saco plástico numa vila de casas em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Familiares de Caio, desaparecido desde o Carnaval, dizem que os restos mortais encontrados são do jovem.

+ O amor está no ar! Cinemas cariocas fazem promoção para os apaixonados

Um dos moradores da vila, Wesley de Souza, era melhor amigo de Caio, e testemunhas contaram que, após a descoberta, Wesley tentou fugir com o corpo.

“O pedreiro estava fazendo a obra e foi cavar o chão para pegar areia. Quando ele enfiou a pá, percebeu que tinha um corpo ali, e logo chamou a família”, contou uma prima da vítima, Aline Machado. “Wesley pegou o corpo, enrolado em cobertores e dentro de um saco preto, e subiu em um telhado, mas não aguentou o peso. Ele, então, largou o saco e fugiu”, complementa.

+ Galeão registra o maior fluxo de passageiros internacionais desde 2018

Continua após a publicidade

Caio era vendedor de uma loja de peças de moto e havia acabado de trocar de emprego. A rescisão que recebeu, no valor de 7000 reais, também desapareceu.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Ele saiu de casa no dia 9 de fevereiro, sexta de Carnaval, e as mensagens que supostamente teria enviado até  a familiares eram confusas, ora ele dizia que estava no bairro da Penha, na Zona Norte da capital, ora em Arraial do Cabo, na Região do Lagos.

“A gente ligava e ele não atendia. Então começamos a achar que essas mensagens eram para despistar os parentes”, disse Aline.

A família chegou a procurá-lo pela Região Metropolitana e na Região dos Lagos, sem sucesso.

Continua após a publicidade

+ Com nova estrutura na Praia do Pepê, associação de windsurf quer conquistar adeptos

Wesley, que agora é o principal suspeito do crime, ainda não havia se apresentado à polícia até a noite de segunda (10).

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.