Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Orquestra Sinfônica Brasileira se torna Patrimônio Cultural do Rio

A decisão foi anunciada no Diário Oficinal desta segunda (12), em reconhecimento ao trabalho do conjunto para difundir a música clássica no país

Por Luiza Maia Atualizado em 12 abr 2021, 13h54 - Publicado em 12 abr 2021, 13h53

Com 80 anos de trajetória, completados em 2020, a Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) foi registrada como Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial do município no Diário Oficial do Rio desta segunda (12).

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

O decreto nº 48.727 foi anunciado pela “necessidade de proteger e promover as expressões culturais que constituem parte da identidade carioca”, reconhecendo a importância da orquestra para difundir e perpetuar a música clássica no país.

Fundado no Rio em 1940, o tradicional conjunto sinfônico conta com 70 músicos e já realizou mais de 5 000 concertos durante toda sua história. Palcos da cidade foram marcados diversas vezes por suas apresentações, como o Theatro Municipal, a Sala Cecília Meireles e o Teatro Riachuelo.

+ E daí que tem sete metros a mais? Paes ironiza Cristo Redentor gaúcho

No dia 9 de abril, a OSB lançou nas principais plataformas de streaming o álbum OSB de casa – Clássica brasileira, com 22 faixas que incluem famosos compositores do país como José Siqueira e Chiquinha Gonzaga. As gravações foram feitas entre setembro e dezembro de 2020, e exibidas nas redes sociais da orquestra pela Série Clássica Brasileira. 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade