Clique e assine por apenas 4,90/mês

Operação investiga fraudes em compras de alimentos para escolas do Rio

São cumpridos 64 mandados de busca e apreensão no estado

Por Agência Brasil - Atualizado em 26 jun 2020, 12h38 - Publicado em 26 jun 2020, 10h18

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e a Polícia Civil realizaram nesta sexta (26) uma operação contra fraudes na compra de alimentos e equipamentos para escolas da rede estadual. A operação – denominada Prandium – cumpre 64 mandados de busca e apreensão no Rio e na Baixada Fluminense.

+Coronavírus: Instituto D’Or seleciona voluntários para estudo de vacina

Segundo o MPRJ, as investigações, iniciadas há cincos meses, constataram a existência de uma organização criminosa que usa orçamentos falsos e forja preços para simular concorrência para o fornecimento de materiais e alimentos a escolas do estado.

Para o MPRJ, empresários aliciavam e pagavam propina a diretores de escolas e diretores regionais para obter vantagem no momento da contratação. No esquema, havia um prévio ajuste de preços e redirecionamento para empresas pertencentes a uma mesma pessoa, mas registradas em nome de “laranjas”.

Continua após a publicidade

Mesmo com a pandemia do novo coronavírus (covid-19) e a suspensão das aulas, segundo o MPRJ, as atividades ilícitas se mantiveram para a compra e distribuição de cestas básicas aos alunos.

A Secretaria Estadual de Educação (Seeduc) informou, por meio de nota à imprensa, que repassa a verba para a compra de alimentos para as escolas e que a compra é responsabilidade das unidades de ensino.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

“Vale destacar que os diretores não são escolhidos pela secretaria. Eles são eleitos pela própria comunidade escolar. A Seeduc afastará os diretores dos cargos e aguardará a conclusão das investigações para outras medidas”, finaliza a nota.

Continua após a publicidade

 

Publicidade